Crime

Laudo recomenda soltura de adolescente que matou Isabele Ramos

Jovem de Cuiabá está há um ano internada por matar a amiga com um tiro na cabeça, ela passa por reavaliação a cada seis meses e aguarda decisão judicial sobre o cumprimento do restante da pena

Jéssica Gotlib
postado em 20/01/2022 15:48 / atualizado em 20/01/2022 15:57
As duas adolescentes eram melhores amigas, segundo relatos da família da vítima -  (crédito: Divulgação)
As duas adolescentes eram melhores amigas, segundo relatos da família da vítima - (crédito: Divulgação)

A adolescente, agora com 16 anos, que matou à queima-roupa Isabele Ramos Guimarães segue internada no Lar Menina Moça, no Complexo do Pomeri, em Cuiabá. Nesta quinta-feira (20/1), um dia após completar um ano de prisão, a equipe multidisciplinar da unidade emitiu um laudo em que recomenda a soltura dela.

Segundo o portal G1, os profissionais atestaram que a menor recebe atendimento psicológico e psiquiátrico particular, conforme autorizado pela Justiça. Ela também participa dos atendimentos realizados pela unidade socioeducativa.

A equipe também atestou que a menor apreendida vem contribuindo para o cumprimento das metas da medida socioeducativa e que ela apresenta comportamentos sociais adequados, específicos da adolescência e vínculos com os familiares.

Com base nessas conclusões, o documento considera que a adolescente deve ser solta para cumprir o restante da medida socioeducativa em liberdade. Isso porque, segundo os profissionais, as limitações físicas, materiais e profissionais do Lar Menina Moça impedem que o espaço contribua com a melhor formação da interna, o que desviaria da finalidade da medida.

Resposta judicial

A emissão desse laudo faz parte de um procedimento repetido a cada seis meses de revisão da sentença de três anos de internação dada à menor responsável por matar Isabele Ramos. O próximo passo é a emissão de um parecer do Ministério Público e a submissão dos documentos à Justiça. Há seis meses, a equipe multidisciplinar também recomendou a soltura da jovem, entretanto, sua prisão foi mantida pela juíza do caso.

Em 19 de janeiro de 2021, ela foi condenada a três anos no regime socioeducativo por matar a amiga com um tiro a queima roupa. A sentença foi por ato infracional análogo ao crime de homicídio doloso, em que há a intenção de matar.

Pouco depois que a sentença foi publicada, a defesa da amiga de Isabele pediu que ela respondesse pelo crime em liberdade. O caso chegou ao Superior Tribunal de Justiça (STJ), mas os ministros decidiram manter a internação por maioria de votos.

Outro adolescente, então namorado da menor apreendida, e três adultos, incluindo pai e mãe da jovem presa, foram indiciados por ato infracional análogo ao homicídio culposo e homicídio culposo, quando não há a intenção de matar. Mas as informações sobre os processos deles não estão disponíveis publicamente.

Assassinato

Diferente da versão apresentada inicialmente, de tiro acidental, a perícia concluiu que a pessoa que atirou em Isabele estava com a arma apontada para a cabeça dela, a uma distância que pode variar de 30 cm a 40 cm e a uma altura de cerca de 1,44 m. Na época, os peritos também apontaram que a cena do crime foi mexida.

O crime foi em 12 de julho de 2020. Isabele tinha perdido o pai um ano antes de morrer, mas deixou a mãe e um irmão mais novo.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE