COVID-19

Queiroga não marca data para rebaixar "pandemia", mas diz "estar perto"

Apesar de indicar que o país observa uma redução nos números da pandemia, ministro da Saúde demonstrou preocupação com um possível repique de diagnósticos positivos referentes às aglomerações no feriado

Maria Eduarda Cardim
postado em 03/03/2022 18:47 / atualizado em 03/03/2022 19:54
 (crédito: Walterson Rosa/MS      )
(crédito: Walterson Rosa/MS )

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, comentou, nesta quinta-feira (3/3), a possibilidade de rebaixamento da pandemia para endemia indicado mais cedo pelo presidente da República, Jair Bolsonaro. Queiroga não quis estimar uma data para que isso aconteça, mas afirmou que “estar perto”.

“Estamos perto de chegar nesse ponto. […] Já assistimos a uma queda do número de casos e de óbitos. Esperamos que essa redução de casos e óbitos seja sustentável e que a incidência da doença diminua. E, aí, é nesse contexto que se considera o rebaixamento do caráter de pandemia para endemia”, indicou em conversa com os jornalistas, após cerimônia alusiva ao Dia das Doenças Raras, realizada no Palácio do Planalto.

Apesar de indicar que o país observa uma redução nos números da pandemia, Queiroga demonstrou preocupação com um possível repique de diagnósticos positivos referentes às aglomerações no feriado.

“Carnaval não foi algo que o governo federal tenha estimulado, mas as pessoas já estão cansadas, se reúnem e flexibilizam medidas não farmacológicas. Então, pode haver um aumento do número de casos”, pontuou.

O ministro da Saúde indicou que, na prática, a decisão de rebaixar a pandemia, a qual chamou de técnica, pode reduzir determinadas restrições, como o uso de máscaras. A flexibilização do equipamento de proteção individual já é solicitada pelo presidente Bolsonaro há algum tempo.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE