INOVAÇÃO

Brasil tem alternativas ecológicas para substituir fertilizantes em lavouras

O país é o quarto maior consumidor mundial de fertilizantes e importa mais de 85% desses insumos, de forma que está mais vulnerável às oscilações de preços que a guerra na Ucrânia produz

Gabriela Chabalgoity*
postado em 28/03/2022 06:00
 (crédito: Minervino Júnior/CB/D.A.Press)
(crédito: Minervino Júnior/CB/D.A.Press)

A guerra entre a Rússia e a Ucrânia contribui para a crise de fertilizantes que preocupa o Brasil. O país é o quarto maior consumidor mundial de fertilizantes e importa mais de 85% desses insumos, de forma que está mais vulnerável às oscilações de preços que o conflito vem provocando.

Apesar disso, o Brasil possui uma solução nacional e ecológica para esse problema e que ajuda a reduzir a dependência de importações de fertilizantes de qualquer país: a Arbolina, uma nanotecnologia que é aplicada na planta.

A substância entra rapidamente na célula, melhorando o desempenho de pimentões, tomates e alfaces, entre outros. O nanoproduto eleva a taxa de fotossíntese e otimiza o aproveitamento de água e o uso de nutrientes pela planta.

A Arbolina oferece, também, nutrição à planta, de forma a deixá-la mais saudável e, consequentemente, aumentando a produção e combatendo os diversos tipos de estresses abióticos.

Economia

Os benefícios econômicos dessa produção para o país são diversos, de acordo com o coordenador e co-fundador da Krilltech, Marcelo Rodrigues. Segundo ele, que é professor de química da Universidade de Brasília (UnB), o primeiro consiste na nacionalidade do produto, ou seja, por ser uma tecnologia criada e desenvolvida no Brasil, o preço não é atrelado ao dólar, como acontece com as commodities.

Os pequenos produtores também conseguem, por meio da implementação do produto, recuperar áreas de produção perdidas e movimentar a economia local. "O cacau foi devastado no Sul da Bahia por conta da Vassoura de Bruxa. Hoje, é possível encontrar lavouras velhas que foram abandonadas e renovar esse pé de cacau. A produção aumentou muito e, com isso, é possível recuperar a economia local. Pequenos produtores que não têm acesso à tecnologia, aumentam a produtividade da lavoura. Um agricultor que é de subsistência se transforma em um agricultor que produz alimento para a população, além de se tornar um consumidor", detalha Rodrigues.

Meio ambiente

O projeto também visa benefícios ambientais para o Brasil. São programas de recuperação de áreas degradadas por meio da implantação da Arbolina. Dentre esses espaços, estão incluídas a Amazônia e as áreas da caatinga, onde será realizado o plantio de Umbu, que é utilizada no extrativismo. "Vamos pegar plantas de interesse econômico, tanto para o extrativismo da madeira como para cosméticos e fármacos", afirma o professor.

A produção em escala da Arbolina, estudo de mercado e comercialização é realizada na Bahia, em Dias d'Ávila. Em Brasília, a Krilltec possui um centro de desenvolvimento de novas tecnologias em parceria com a UnB. "Esse laboratório é responsável por desenvolver toda a parte de pesquisa e desenvolvimento, ou seja, patentes, novos produtos e tecnologias", conta Rodrigues.

A produtora rural Angela Schirato de Salles, está no segundo ano em que está usando o produto desenvolvido na UnB em sua lavoura na cidade mineira de Cabeceira Grande. "Em termos de produtividade, é um produto que traz bons resultados. Ele cuida da planta no todo, transporta todos os nutrientes da terra para a planta, ajuda na fotossíntese. Então, você tem uma planta mais forte, com mais flores, por exemplo", destaca.

Em relação à dependência do país de fertilizantes importados em relação a outros países, o professor da UnB lamenta que o Brasil ainda não consegue valorizar a produção nacional. "Essa tecnologia é estratégica para o país, porque vamos parar de depender tanto de outros. É uma pena a não valorização, porque depois outros países compram a tecnologia, e o Brasil vai ter que comprar deles a preço de dólar. Falta de visão e metas nacionais, isso são agendas que deveriam fazer parte do Estado", afirma.

*Estagiária sob a supervisão de Rosana Hessel

 


CONTINUE LENDO SOBRE