INVESTIGAÇÃO

PF prende em aeroporto operador que lavou R$ 1,4 bi em criptoativos

A Polícia Federal prendeu um operador especializado em lavar dinheiro com criptoativos que movimentou mais de R$ 1,4 bilhão

 Fachada da Policia Federal (PF), na Asa Norte, em Brasília (DF) -  (crédito:  Ed Alves/CB/DA.Press)
Fachada da Policia Federal (PF), na Asa Norte, em Brasília (DF) - (crédito: Ed Alves/CB/DA.Press)
postado em 08/01/2024 11:41

A Polícia Federal (PF) prendeu, na área migratória do aeroporto de Guarulhos, um operador especializado em lavar dinheiro com criptoativos - segundo o investigadores, em apenas dez meses, a conta bancária usada pelo suspeito movimentou mais de R$ 1,4 bilhão.

O investigado foi preso neste domingo, 7, quando tentava embarcar para Dubai, nos Emirados Árabes Unidos. A ordem de custódia cautelar foi expedida no bojo da Operação Colossus para "resguardar a ordem pública, a instrução criminal e a aplicação da lei penal".

De acordo com a Polícia Federal, o homem fixou residência em Dubai para "seguir com a prática criminosa" e "dificultar a atuação das autoridades". O alvo foi preso após dias de monitoramento feito pela PF.

Na Colossus, foi identificado que uma das empresas controladas pelo investigado movimentou, entre 2017 e 2021, mais de R$ 13 bilhões entre créditos e débitos, sem apresentar registros de emissão de Notas Fiscais compatíveis com a movimentação bancária. Também foram encontradas evidências de operação com dinheiro proveniente de tráfico de drogas e outros crimes.

O suspeito é investigado por receber recursos ilícitos no País e lavar o dinheiro com a disponibilização dos montantes como criptoativos, tanto no exterior quanto no País. A ocultação da origem do dinheiro se dava pelo uso de empresas de fachada de laranjas. A PF também apura suposta prática dos crimes de falsidade ideológica, evasão de divisas, funcionamento irregular de instituição financeira e falsa identidade em operação de câmbio.

Os investigadores tem provas de que, mesmo morando fora, o suspeito segue lavando dinheiro: foi identificada uma conta bancária de uma empresa pertencente a um "laranja" usada pelo investigado para o recebimento e transferência de recursos. "Com registros de atuação ao longo do último ano, em apenas dez meses a conta bancária por ele utilizada apresentou movimentação bancária superior a R$ 1,4 bilhão", ressaltou a corporação.

Tags

Gostou da matéria? Escolha como acompanhar as principais notícias do Correio:
Ícone do whatsapp
Ícone do telegram

Dê a sua opinião! O Correio tem um espaço na edição impressa para publicar a opinião dos leitores pelo e-mail sredat.df@dabr.com.br

-->