justiça

Justiça decreta prisão de ex-marido de galerista assassinado no Rio

Prevez está preso desde 18 de janeiro, quando foi encontrado em Minas Gerais. Já Daniel é acusado de ser o "autor intelectual e principal interessado no crime"

O suspeito preso por assassinar o empresário Brent Sikkema foi identificado como Alejandro Triana Trevez. A motivação do crime ainda não foi revelada -  (crédito: Reprodução/Redes sociais)
O suspeito preso por assassinar o empresário Brent Sikkema foi identificado como Alejandro Triana Trevez. A motivação do crime ainda não foi revelada - (crédito: Reprodução/Redes sociais)
postado em 10/02/2024 18:09

A juíza Tula Correa de Mello, da 3ª Vara Criminal do Rio de Janeiro, decretou as prisões preventivas de Daniel Sikkema, ex-marido do galerista americano Brent Sikkema, e Alejandro Triana Prevez, neste sábado, 10. Brent, de 75 anos, foi assassinado no Rio, no último dia 15 de janeiro.

Prevez está preso desde 18 de janeiro, quando foi encontrado em Minas Gerais. Já Daniel é acusado de ser o "autor intelectual e principal interessado no crime". As informações indicam que Daniel teria contratado Prevez com a promessa de pagar US$ 200 mil para cometer o crime. Prevez, então, veio ao Brasil custeado por Daniel e entrou na casa em que Brent estava usando suas chaves.

"A juíza determinou, ainda, que o mandado de prisão de Daniel seja encaminhado à Difusão Vermelha da Interpol, através de canal competente da Polícia Federal, já que o acusado se encontra no exterior", informou nota do Tribunal do Rio. Tanto Prevez quanto Daniel nasceram em Cuba, mas este último atualmente viveria nos Estados Unidos.

O Estadão buscou contato com Daniel Sikkema na tarde deste sábado, 10, mas não obteve retorno até o momento. A reportagem também entrou em contato com o advogado que defende Prevez, mas também não obteve retorno até a publicação deste texto. O espaço segue aberto.

Relembre o caso Brent Sikkema

Brent, dono da famosa galeria de arte Sikkema Jenkins & Co, em Nova York, foi encontrado morto com ferimentos de arma branca no Jardim Botânico, no Rio de Janeiro. Inicialmente, a polícia do Rio chegou a tratar o crime como latrocínio, roubo seguido de morte.

Segundo informações da Polícia Civil divulgadas na sexta-feira, 9, a Delegacia de Homicídios da Capital concluiu o inquérito na quarta-feira, 7, e indiciou o ex-marido, além do suspeito de cometer o crime, o cubano Alejandro Triana Prevez. Ele havia sido preso no dia 18 de janeiro no interior de Minas.

Prevez foi indiciado como autor do assassinato. Já Daniel foi acusado de ser o "autor intelectual e principal interessado no crime". A DHC encaminhou o inquérito ao Ministério Público, pedindo a prisão preventiva dos dois. Segundo o Tribunal de Justiça do Rio, o processo corre em segredo de justiça.

Segundo o MP-RJ, Daniel é acusado de homicídio e Prevez responderá por homicídio e furto qualificado. Leia a nota completa divulgada na sexta-feira, 9:

Brent Sikkema

Segundo os bombeiros, Brent foi encontrado sem vida em um imóvel na Rua Abreu Fialho, na altura do número 15, no Jardim Botânico. A ocorrência foi registrada às 23h05. O galerista sofreu ferimentos de arma branca.

Ele fundou a Sikkema Jenkins & Co. em 1991. À época, o local se chamava Wooster Gardens e ficava na Wooster Street, no SoHo. Em 1999, a galeria migrou para a localização atual, na 530 West 22nd Street.

Brent começou a trabalhar com exposições artísticas em 1971, época em que atuou como Diretor de Exposições no Visual Studies Workshop, em Rochester. Em 1976, Brent abriu sua primeira galeria.

A Sikkema Jenkins & Co. não exibe apenas pinturas e se dedica também à exposição de fotos, esculturas e instalações. Dentre os nomes presentes na galeria, estão os renomados Vik Muniz, Arturo Herrera, Sheila Hicks e Jeffrey Gibson.

Gostou da matéria? Escolha como acompanhar as principais notícias do Correio:
Ícone do whatsapp
Ícone do telegram

Dê a sua opinião! O Correio tem um espaço na edição impressa para publicar a opinião dos leitores pelo e-mail sredat.df@dabr.com.br