Violência contra a mulher

Mulher esfaqueada 22 vezes pelo ex está com sintomas da covid-19

Cleudiane dos Santos, 27 anos, está internada em estado gravíssimo no Hospital de Base desde 9 de agosto. Ela foi esfaqueada 22 vezes pelo ex-companheiro

Darcianne Diogo
postado em 18/08/2020 22:12 / atualizado em 19/08/2020 00:17
 (foto: Reprodução)
(foto: Reprodução)

Vítima de tentativa de feminicídio, Cleudiane dos Santos, 27 anos, apresentou sintomas da covid-19, segundo apurou o Correio. A mulher está internada em estado gravíssimo no Hospital de Base desde 9 de agosto, quando foi esfaqueada 22 vezes pelo ex-companheiro, Fernando Ferreira Soares, 32. Duas das facadas atingiram o abdômen da jovem, que estava grávida de quatro meses do acusado e perdeu o bebê.

O Correio apurou que a vítima teve piora do quadro pulmonar e fez uma tomografia. Com o resultado coletado, a equipe médica suspeitou que a jovem estivesse infectada pelo novo coronavírus. Os médicos coletaram o exame de PCR para detectar a doença, mas o resultado ainda não saiu.

O suspeito ainda está foragido e é procurado pela polícia. Na noite do crime, a mulher estava em um churrasco, na QND 37, em Taguatinga Norte, quando Fernando chegou ao local. Imagens das câmeras de segurança registraram a ação do autor. “Ele colocou uma faca na cintura e a chamou para ir em um barraco, na QND 37, afirmando que iria lhe dar R$ 50”, detalhou o delegado à frente das investigações, Mauro Aguiar.

Durante o trajeto, o acusado iniciou a discussão com a mulher e a atacou com facadas, de forma violenta. Ele cumpria prisão domiciliar e tinha passagens por tráfico de drogas e estupro de vulnerável. De acordo com a apuração policial, Fernando teria ficado com ciúmes do dono do churrasco, um senhor de 70 anos. Os dois se relacionaram por cerca de nove meses e chegaram a morar juntos. Contudo, há três meses, a vítima decidiu colocar fim ao relacionamento. "Ele era muito ciumento e, em uma briga, chegou a morder o rosto da mulher. Ela deixou o local e voltou a residir com a mãe, no entanto, não registrou ocorrência de violência doméstica", relata o delegado Mauro Aguiar, chefe da 17ª Delegacia de Polícia (Taguatinga Norte).

Mesmo depois da separação, Fernando continuou perseguindo a vítima. Mudou-se para uma casa na rua de Cleudiane, e tentou uma aproximação. "Ele seguia a mulher pelos locais, ficava de olho em tudo o que ela fazia. Foi o que ocorreu no domingo, quando ela seguiu para um churrasco com a família, e o suspeito estava no local", acrescenta o investigador.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação