Pandemia

Covid-19: DF registra 15 mortes e chega a 3.291 vítimas da doença

Nenhuma morte ocorrida nesta sexta-feira foi registrada, até agora. Capital totaliza 194.042 casos de covid-19

Tainá Seixas
postado em 02/10/2020 20:00 / atualizado em 02/10/2020 20:04
 (crédito: Breno EsakiCBD.A Press)
(crédito: Breno EsakiCBD.A Press)

A pandemia de coronavírus continua fazendo vítimas no Distrito Federal. Nesta sexta-feira (2/10), foram registradas mais 15 mortes e 915 novos casos. Com os novos registros, a capital totaliza 3.291 mortes por covid-19 e 194.042 diagnósticos da doença. Desses, 94,6% estão recuperados e 7.213 são casos estão ativos. Os dados são da Secretaria de Saúde.

Das 15 vítimas de covid-19 confirmadas nesta sexta-feira, oito eram mulheres, 10 tinham outras comorbidades e 11 tinham mais de 60 anos - a maioria residia no DF, mas uma era moradora de Mato Grosso. As mortes ocorreram entre 11 de julho e 1º de outubro.

Apesar da maior parte dos diagnósticos ser de mulheres (54%), homens morrem mais pela doença na região (58,6%). A maior parte das vítimas também apresenta outras doenças (85,4), que agravam o caso clínico do paciente. Das fatalidades ocorridas no DF, 87,7% eram moradores. O restante era, em sua maior parte, morador do entorno (6,9%).

Ceilândia é a cidade com maior quantidade de casos (23.887), seguida de Taguatinga (16.021) e Plano Piloto (15.278). A letalidade da doença também é maior em Ceilândia (2,5%), ao passo que no Plano Piloto a taxa é de 1,4%.

  •  Médicos fazem treinamento no hospital de campanha para tratamento de covid-19 do Complexo Esportivo do Ibirapuera.
    Médicos fazem treinamento no hospital de campanha para tratamento de covid-19 do Complexo Esportivo do Ibirapuera. Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil
  • Covid-19: Fiocruz amplia capacidade nacional de testagem
    Covid-19: Fiocruz amplia capacidade nacional de testagem Foto: Itamar Crispim/Fiocruz
  • A médica cubana Janeth Blanco examina um migrante centro-americano no chamado 'hotel filtro', alugado pela Organização Mundial para a Paz (WOFP) e pela Organização Internacional das Nações Unidas para as Migrações (IOM-ONU) para hospedar migrantes que serão colocados em quarentena no Pandemia de COVID-19 em Ciudad Juarez, estado de Chihuahua, México, em 18 de junho de 2020. 20 de junho comemora o Dia Mundial do Refugiado.
    A médica cubana Janeth Blanco examina um migrante centro-americano no chamado 'hotel filtro', alugado pela Organização Mundial para a Paz (WOFP) e pela Organização Internacional das Nações Unidas para as Migrações (IOM-ONU) para hospedar migrantes que serão colocados em quarentena no Pandemia de COVID-19 em Ciudad Juarez, estado de Chihuahua, México, em 18 de junho de 2020. 20 de junho comemora o Dia Mundial do Refugiado. Foto: AFP / HERIKA MARTINEZ
Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação