CRIME

Síndico que ameaçou envenenar cães é acusado de agredir tutor

A vítima passeava com a mulher e as cadelas shih-tzu Meg e Luna, quando encontrou com o síndico. João Carlos Bruno iniciou uma discussão e, depois, agrediu o homem

Sarah Peres
postado em 09/10/2020 18:38 / atualizado em 11/10/2020 19:07
Caso está sendo investigado na 3ª DP -  (crédito: Bruno Peres/CB/D.A Press)
Caso está sendo investigado na 3ª DP - (crédito: Bruno Peres/CB/D.A Press)

Dois meses após ameaçar envenenar as cadelas Meg e Luna, o síndico João Carlos Bruno foi acusado de agredir o tutor das cachorras, de 67 anos. O caso ocorreu na manhã de quinta-feira (8/10), quando a vítima e a companheira, de 52 anos, passeavam com os cães da raça shih-tzu, na CLSW 103 do Sudoeste. A depender do laudo de exame de corpo de delito, o suspeito poderá responder por lesão corporal.

De acordo com apuração do Correio, as agressões ocorreram após o tutor dos bichos e o síndico terem uma discussão. Em meio à briga, João Carlos tirou os óculos e, então, deu socos no rosto da vítima, que precisou de atendimento médico.

O crime ocorreu enquanto os tutores de Meg e Luna passeavam com as cadelas
O crime ocorreu enquanto os tutores de Meg e Luna passeavam com as cadelas (foto: Reprodução)

O caso foi registrado na 3ª Delegacia de Polícia (Cruzeiro), que acompanha e investiga o caso. Como a ocorrência não foi realizada em flagrante, João Carlos prestou depoimento na unidade nesta sexta-feira (9/10) e foi liberado, em seguida. Uma versão anterior deste texto informava, equivocadamente, que João Carlos havia sido preso.

Ameaça de envenenamento

Em julho deste ano, João Carlos já havia sido investigado após ser filmado ameaçando envenenar Meg e Luna. O vídeo foi realizada pela universitária Isabella Caetano, 24 anos, que passeava com as cachorras em companhia da mãe. Na ocasião, ele disse às mulheres que a quadra dele era privada e, caso retornassem com os animais para passeio, iria pulverizar a área com veneno.

Isabella realizou algumas filmagens da situação e publicou nas redes sociais. No vídeo, ao ser questionado pelas mulheres a respeito do motivo pelo qual os cachorros não poderiam ter acesso às imediações do edifício, João Carlos Bruno disse: "Vou colocar porque aí não é lugar de andar com cachorro. Se vier cachorro aí vai morrer, eu vou colocar o veneno."

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação