Violência contra a mulher

Ex-diplomata do Itamaraty, agressor de mulheres, é condenado pela Justiça do DF

Renato de Ávila Viana agrediu a ex-namorada em 2016, arrancando-lhe um dente. Ele foi condenado a cinco anos e 10 meses de prisão em regime fechado

Tainá Seixas
postado em 26/11/2020 18:47
 (crédito: Reprodução/Redes Sociais)
(crédito: Reprodução/Redes Sociais)

O ex-diplomata do Ministério das Relações Exteriores (MRE) Renato de Ávila Viana, 44 anos, foi condenado por agredir a ex-namorada. A sentença é do juiz Wellington da Silva Medeiros do Juizado Especial Criminal e Juizado de Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher de Águas Claras.

A pena estabelecida é de cinco anos e 10 meses de prisão em regime fechado. Renato tem um histórico de agressões contra mulheres e chegou a ser demitido do cargo de primeiro secretário do MRE após processo administrativo disciplinar (PAD) decorrente de denúncia de agressão.

O crime ocorreu em 2016, quando ele agrediu uma ex-namorada, no apartamento dela em Águas Claras, fazendo com que ela perdesse um dente. À época, ele cumpria medida protetiva e foi preso em flagrante, mas solto logo depois.

Em 2018, ele foi preso novamente e enquadrado na Lei Maria da Penha de forma preventiva, isto é, por tempo indeterminado. Ele havia deixado a prisão em 2019 e estava cumprindo a pena em regime domiciliar.

O acusado acumula denúncias de agressões há mais de 15 anos. No primeiro, ele respondeu por supostamente ter atacado uma funcionária do ministério. O processo foi arquivado, mas, em 2006, encarou outra sindicância, quando recebeu uma advertência depois de ser acusado de violência contra uma paraguaia. Em 2016, foi acusado de manter em cárcere privado uma mulher de 35 anos com problemas psiquiátricos.

O Correio entrou em contato com a defesa do acusado, mas ainda não obteve retorno.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE