Comércio

Black Friday: Vendas on-line aquecem comércio. Saiba como evitar golpes

Segundo o Sindivarejista, a modalidade pode representar 60% do faturamento do comércio até a noite de domingo (29). Especialistas alertam para cuidados necessários durante as compras pela internet

Samara Schwingel
postado em 27/11/2020 09:38
 (crédito: Minervino Júnior/CB/D.A Press              )
(crédito: Minervino Júnior/CB/D.A Press )

Com início nesta sexta -feira (27/11) e se estendendo até domingo (29/11), a Black Friday deve movimentar o comércio no Distrito Federal. De acordo com o presidente do Sindicato do Comércio Varejista (Sindivarejista), Edson de Castro, as vendas pela internet podem representar 60% do faturamento das lojas neste período. O número é 19% maior do que o registrado pela modalidade em 2019. 

Ainda segundo o sindicato, muitos consumidores estão aproveitando os preços baixos para antecipar as compras para o Natal. "O gasto médio por consumidor é de R$ 240 contra R$ 280 do ano ano passado. A Black Friday deste ano significa a injeção de R$ 230 milhões na economia do DF contra R$ 250 milhões do ano passado", diz Edson. 

Cuidado com os golpes 

Diante o entusiasmo com descontos e preços mais baratos, o consumidor fica mais vulnerável e suscetível a cair em golpes. Segundo a advogada e diretora adjunta do Instituto Brasileiro de Política e Direito do Consumidor (Brasilcon) Simone Magalhães, é preciso estar atento a possíveis fraudes tanto nas lojas virtuais quanto nas presenciais. "Neste período de descontos, o golpe mais comum é a falsa promoção, ou seja, o estabelecimento diz que o produto está mais barato, mas, na verdade, não está", diz. 

"Para evitar este tipo de golpe, é interessante que o consumidor acompanhe e pesquise o preço do produto em datas anteriores para verificar se a promoção é real. Existem sites confiáveis que fazem este trabalho para o consumidor", completa Simone. 

A advogada também afirma que, no caso de lojas virtuais, o consumidor precisa estar atento a links e sites com pouca segurança. "É bom evitar acessar portais desconhecidos, pois há o risco de roubarem dados e informações pessoais durante a 'compra'", declara. Porém, caso a pessoa se torne vítima de um golpe, Simone diz que é importante registrar um boletim de ocorrência. "Faça sempre prints das publicidades, conversas, salve tudo. O ambiente virtual deixa rastros e, com pistas, os investigadores podem encontrar os responsáveis", orienta. 

Política de desistência 

Além das dicas para evitar fraudes, Simone ainda chama a atenção para um direito previsto no Código de Defesa do Consumidor e que se aplica às promoções da Black Friday. Quando uma compra é realizada fora do estabelecimento comercial, ou seja, on-line, o cliente tem sete dias, a partir do recebimento do produto, para desistir do item.

"O consumidor não precisa justificar. E todas as lojas precisam receber a devolução e arcar com os possíveis custos de envio desde que o cliente informe da desistência dentro do prazo de sete dias", ressalta. 

Ela frisa que essa medida é diferente da política de trocas. "Em relação às trocas, cada loja tem um regulamento próprio. Para não ter surpresas, é interessante que o cliente pergunte e se informe sobre elas antes de realizar uma compra."

Dicas para evitar golpes na Black Friday 

  • Não compre no impulso 
  • Desconfie e pesquise preços 
  • Verifique as avaliações da loja feitas por outros usuários  
  • Evite acessar sites ou links desconhecidos ou suspeitos 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE