FEMINICÍDIO

PCDF prende homem que matou e enterrou corpo de ex-mulher em Brazlândia

Franciele da Silva Moreira foi morta em dezembro de 2016 e ficou por dois anos desaparecida. Os restos mortais da vítima foram encontrados em 2018, em Brazlândia

Darcianne Diogo
postado em 16/01/2021 10:59 / atualizado em 16/01/2021 14:10
Os restos mortais da vítima foram encontrados em 2018, em Brazlândia  -  (crédito: PCDF/Divulgação)
Os restos mortais da vítima foram encontrados em 2018, em Brazlândia - (crédito: PCDF/Divulgação)

Policiais da 18ª Delegacia de Polícia (Brazlândia) prenderam, nesta sexta-feira (15/1), um homem de 45 anos acusado de sequestrar, matar e enterrar o corpo da ex-companheira, em uma chácara, às margens da BR-080. O crime bárbaro ocorreu em 2016 e, na época, chocou a capital. Cláudio da Silva Rosa respondia o processo em liberdade, mas teve a prisão decretada pela Justiça no ano passado e encontrava-se foragido desde novembro de 2020.

Franciele da Silva Moreira tinha apenas 22 anos, quando foi brutalmente assassinada pelo ex, após romper o relacionamento. Segundo investigações da época, o agressor atraiu a jovem até a casa dele, a matou e, em seguida, a enterrou numa área de cerrado, às margens da DF-220, no sentido Poço Azul, nas redondezas de Brazlândia. O crime aconteceu em 4 de dezembro de 2016 e contou com a participação de Wilker da Silva Rosa, filho do acusado.

Após monitoramento de inteligência, nesta sexta-feira, investigadores da 18ª DP localizaram Cláudio em uma chácara da família, em Brazlândia. O autor tentou resistir à prisão e fugir, porém, foi contido e detido. A ação contou com seis policiais civis. Agora, o acusado está à disposição da Justiça.

Franciele da Silva Moreira foi morte em dezembro de 2016 e ficou por dois anos desaparecida. Os restos mortais da vítima foram encontrados em 2018, em Brazlândia 
Franciele da Silva Moreira foi morte em dezembro de 2016 e ficou por dois anos desaparecida. Os restos mortais da vítima foram encontrados em 2018, em Brazlândia  (foto: Reprodução)

Crime bárbaro
Por dois anos, Franciele ficou desaparecida e a ocorrência foi registrada à época como desaparecimento. Os restos mortais da vítima foram encontrados enterrados em 2018.

Cláudio não aceitava o fim do relacionamento, segundo revelaram as investigações. Mesmo juntos, o agressor já ameaçava Franciele de morte. Após a separação, a situação agravou-se. O filho de Cláudio ajudou a enterrar a jovem, pois, de acordo com a apuração policial, ele sentia "ódio" da vítima.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE