Covid-19

Nova cepa: MPDFT pede ampliação da vigilância laboratorial no DF

Em reunião realizada na manhã desta sexta-feira (19), o órgão questionou a Secretaria de Saúde sobre a circulação de novas cepas da covid-19 no DF e a a ocupação de leitos de UTI

Samara Schwingel
postado em 19/02/2021 12:41 / atualizado em 19/02/2021 12:42
Objetivo do MPDFT é acompanhar e avaliar as infecções por nova cepa no DF -  (crédito: PAULO H. CARVALHO/CB/D.A PRESS)
Objetivo do MPDFT é acompanhar e avaliar as infecções por nova cepa no DF - (crédito: PAULO H. CARVALHO/CB/D.A PRESS)

Membros do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) se reuniram, na manhã desta sexta-feira (19/2), com o secretário de Saúde, Osnei Okumoto, e com o diretor de vigilância epidemiológica, Cássio Peterka, para discutirem o atual cenário da pandemia de covid-19. No encontro, membros do órgão pediram aos gestores da pasta a ampliação da vigilância laboratorial do DF e do controle do material genético testado nos laboratórios de referência para verificar a contaminação por novas cepas da covid-19. 

"Dessa forma, poderá ser feita uma avaliação e um acompanhamento mais preciso das pessoas que possam ter sido infectadas com variantes da doença, como a B 1.1.7 (variante britânica)", disse o coordenador da força-tarefa de combate à pandemia, o procurador de Justiça José Eduardo Sabo Paes. 

Além disso, os membros do MPDFT foram informados que a secretaria ainda não recebeu a confirmação do Instituto Adolfo Lutz sobre a infecção de moradores da capital com a variante do Reino Unido. Apesar disso, a pasta investiga um homem de 33 anos que teve o material genético colhido no Piauí, testou positivo para a B 1.1.7, mas o resultado foi protocolado como sendo do DF, uma vez que o endereço cadastrado no Sistema Único de Saúde (SUS) é da capital federal.

Vacinas 

Durante a reunião, os gestores da pasta entenderam a necessidade de providenciar uma nota técnica que explique a relação das novas cepas da covid-19 com as vacinas que estão em circulação no DF, a CoronaVac e a AstraZeneca. "Será um documento muito importante para trazer informação à população", completou Sabo.

Os membros do MPDFT também reforçaram a necessidade da ampliação das unidades de terapia intensiva (UTIs) na capital federal. A eles, a secretaria informou que vai dar continuidade à abertura dos 100 leitos, anunciados nesta quinta-feira (18/2). Receberão leitos o Hospital Daher do Lago Sul, o Hospital Home, o Hospital de Campanha de Ceilândia e o da Polícia Militar, e o Hospital Regional de Santa Maria. 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE