CB.SAÚDE

Vacina reduz impacto da covid-19 em idosos, diz Thiago Póvoa

Em entrevista ao CB.Saúde desta quinta-feira (8/4), o geriatra Thiago Póvoa destacou que as internações e os casos graves percebidos em pessoas mais velhas diminuíram com a imunização. Cuidados devem ser mantidos mesmo após aplicação das duas doses

Ana Isabel Mansur
postado em 08/04/2021 17:21 / atualizado em 08/04/2021 21:01
Durante a entrevista, Thiago Póvoa lembrou que as vacinas são apenas parte da proteção contra o vírus -  (crédito: Marcelo Ferreira/C.B/D.A Press)
Durante a entrevista, Thiago Póvoa lembrou que as vacinas são apenas parte da proteção contra o vírus - (crédito: Marcelo Ferreira/C.B/D.A Press)

Nesta quinta-feira (8/4), em entrevista ao CB.Saúde, parceria do Correio com a TV Brasília, o médico Thiago Póvoa, presidente da Sociedade de Geriatria do Distrito Federal, destacou que a mortalidade por covid-19 de idosos com 75 anos ou mais foi reduzida pela metade com a campanha de vacinação do grupo.

"A imunização desse público vem produzindo efeitos observados na nossa prática diária nos consultório e nas UTIs. Temos visto queda expressiva na taxa de idosos internados e, portanto, de óbitos dessa faixa etária. O sucesso, a segurança e a eficácia da vacina vêm sendo observados", relatou o médico. "A queda na presença de idosos na UTI nos alegra, mas, infelizmente, essas vagas têm sido ocupadas por mais jovens", lamentou.

Póvoa ressaltou a necessidade de entender o objetivo principal da imunização contra a covid-19. "A vacina busca tornar a doença mais branda. A eficácia para evitar completamente o contágio não é total, infelizmente, mas a maioria das vacinas tornam as patologias mais atenuadas, sem impedir a infecção."

O geriatria citou como exemplo o imunizante contra a gripe. "É uma vacina que não tem intuito de evitar completamente que a pessoa tenha gripe, mas evita o risco de as pessoas vulneráveis, como os idosos, morram pela doença", explicou.

Usando como exemplo a morte do cantor Agnaldo Timóteo, em que desconfia-se que a contaminação pela covid-19 tenha ocorrido entre as doses da vacina, Póvoa destacou a importância de manter os cuidados e as medidas de segurança, mesmo depois da imunização completa contra a doença. "Os casos mostram que vacina pode não ter proteção completa, mas é a melhor ferramenta que temos, em termos de saúde pública, contra a doença e a redução dos casos é real. Os benefícios estão provados", completou.

Assista à entrevista completa abaixo:

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE