Pandemia

Saúde vai contratar fornecimento de energia para hospitais de campanha

Três unidades de saúde serão inauguradas no Distrito Federal. Apesar de prontos, não há previsão de quando devem entrar em operação

Jéssica Moura
postado em 29/04/2021 14:38
Os hospitais terão leitos com suporte avançado de ventilação -  (crédito: Ed Alves/CB/D.A Press)
Os hospitais terão leitos com suporte avançado de ventilação - (crédito: Ed Alves/CB/D.A Press)

A secretaria de Saúde lançou uma chamada pública para contratar empresas que operem no fornecimento de subestações elétricas para os três novos hospitais de campanha em construção no Distrito Federal. A medida foi publicada no Diário Oficial do Distrito Federal (DODF) desta quinta-feira (29/4).

O contrato tem caráter emergencial e estão previstos dois lotes de pagamento: o primeiro de R$ 179.291,25, e o segundo, R$ 136.291,25. Os interessados podem apresentar as propostas até 3 de maio. A empresa contratada será responsável pela locação, instalação, desmontagem e remoção das instalações.

Hospitais de Campanha

Em março, diante do agravamento da pandemia de covid-19 no DF, o governador Ibaneis Rocha (MDB) anunciou a construção de três novos hospitais de campanha; no Autódromo de Brasília, no pátio da Escola Parque Anísio Teixeira, em Ceilândia, e no estádio Bezerrão, no Gama. Este último será o primeiro a funcionar. A previsão da secretaria é que entre em operação na próxima semana.

À época, o governo afirmou que as unidades reforçariam a oferta de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) para os pacientes acometidos pela covid-19 em 300 vagas de tratamento intensivo.

No entanto, em abril, o chefe da Casa Civil, Gustavo Rocha, corrigiu a informação, e reiterou que os leitos são de Cuidados Intensivos (UCI). O governo alega, ainda assim, que os hospitais vão contar com estrutura para atender os casos graves, com suporte ventilatório, mas, como não terão centro cirúrgico, o Ministério da Saúde classifica as unidades enquanto UCIs.

Lista de espera

Na manhã desta quinta-feira, 44 pacientes com suspeita ou confirmação de covid-19 aguardavam na fila por um leito de UTI. A taxa de ocupação desses leitos era de 94,14% na capital federal.





Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE