Democracia

Oposição articula candidato único para eleição da OAB-DF

Grupo contrário à atual gestão da entidade se mobiliza para lançar somente um nome na disputa pelo comando da Ordem dos Advogados do Brasil do DF. Eleição está prevista para ocorrer no segundo semestre deste ano

Alexandre de Paula
postado em 01/05/2021 06:00
O atual presidente Délio Lins e Silva Júnior deve ser candidato à reeleição -  (crédito: Paulo H. Carvalho/CB/D.A Press)
O atual presidente Délio Lins e Silva Júnior deve ser candidato à reeleição - (crédito: Paulo H. Carvalho/CB/D.A Press)

A eleição para a seccional do Distrito Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-DF) movimenta os bastidores da entidade. O pleito ocorrerá apenas no segundo semestre, mas as articulações para as candidaturas que disputarão o comando começam a avançar. A tendência é de que o atual presidente, Délio Lins e Silva Júnior, busque a reeleição. Na oposição, um grupo ligado às gestões anteriores, dos ex-presidentes Juliano Costa Couto e Ibaneis Rocha, trabalha para consolidar um adversário único contra Délio.

Na eleição anterior, que ocorreu em 2018, quatro chapas disputaram a direção da ordem. Além de Délio, concorreram Jacques Veloso, Renata Amaral e Max Telesca. A disputa foi apertada. O atual presidente teve 9.805 votos contra 9.557 de Veloso. Renata e Telesca tiveram menos de 2 mil votos, cada um. O governador Ibaneis Rocha (MDB) participou da campanha e apoiou Veloso, que tinha também o aval do então presidente da OAB-DF, Juliano Costa Couto.

Jacques Veloso é um dos cinco nomes cotados para representar a oposição na eleição deste ano. A ideia é que a definição de quem disputará o cargo seja feita a partir de pesquisas de opinião e de discussões setoriais. A intenção da oposição, agora, é evitar a divisão dos votos entre representantes do mesmo grupo e tentar garantir uma vitória contra Délio.

Mesmo no pleito anterior, a escolha do candidato que representaria a continuidade da gestão levou tempo. Foi feita uma eleição entre Jacques Veloso e Cleber Lopes para definir quem estaria à frente do grupo. Veloso levou a melhor. Ele tinha a preferência do então presidente, Juliano Costa Couto, enquanto Lopes era próximo do governador Ibaneis Rocha. A decisão, por meio de uma pré-eleição, manteve a unidade do grupo, que, apesar disso, acabou derrotado. Tributarista, Veloso atuou como secretário-geral da entidade entre 2016 e 2018, além de ter sido conselheiro.

Outro nome entre os cinco da oposição, Cleber Lopes é um dos mais requisitados criminalistas de Brasília. Tem no currículo a atuação em nome de autoridades. É, inclusive, um dos representantes de Ibaneis. Nas últimas eleições, foi candidato a vice na chapa com Veloso. Na ordem, ocupou diversas funções desde 2003, como as presidências das comissões de Exame de Ordem e de Prerrogativa. Foi desembargador, por dois mandatos, do Tribunal Regional Eleitoral do DF (TRE-DF).

Figura também próxima do governador Ibaneis Rocha, o especialista em direito processual civil e direito eleitoral Everardo Gueiros está no páreo para representar a oposição. Gueiros foi secretário de Projetos Especiais do atual Executivo local até setembro do ano passado e tem atuação em tribunais superiores, como Supremo Tribunal Federal (STF), Tribunal Superior do Trabalho (TST) e Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Também foi desembargador do TRE-DF.

A única mulher entre os cinco pré-candidatos é a advogada e mestre em direito previdenciário Thais Riedel. Hoje, não há nenhuma mulher no comando das 27 seccionais da OAB no país, e a representatividade deve ser um dos motes da campanha. Ela foi presidente da Comissão de Seguridade Social da OAB-DF e vice-presidente da Comissão Nacional de Direito Previdenciário.

Ex-conselheiro federal da OAB-DF, Evandro Pertence é mais um dos pré-candidatos da oposição que passou pelo TRE-DF. Atuou na defesa de autoridades, como o ex-presidente Lula. Participou e esteve à frente de comissões na Ordem, entre elas, a de Direitos Humanos. Ele é filho do ministro aposentado do STF Sepúlveda Pertence e fundador do Instituto Victor Nunes Leal, criado para promover o conhecimento jurídico.

Digital

A eleição deste ano, que deve ocorrer em novembro, será a primeira feita on-line. A mudança se deu devido à pandemia e aos riscos impostos pela covid-19.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE