CHACINA

Busca por suspeito de matar família no Incra 9 já dura três dias

Até a noite desta sexta-feira (11/6), continuava foragido Lázaro Barbosa Sousa, 33 anos, suspeito de assassinar uma família no Incra 9. O homem fez mais um refém, ontem, o terceiro durante a fuga que mobiliza forças de segurança do DF e de GO

Darcianne Diogo
Luana Patriolino
postado em 12/06/2021 06:00
Carro queimado encontrado na BR-070, próximo a Cocalzinho (GO), supostamente utilizado por Lázaro durante a fuga -  (crédito: Ed Alves/CB/D.A Press)
Carro queimado encontrado na BR-070, próximo a Cocalzinho (GO), supostamente utilizado por Lázaro durante a fuga - (crédito: Ed Alves/CB/D.A Press)

Já são 72 horas de fuga em meio a assassinatos e reféns. Forças de segurança do Distrito Federal e de Goiás trabalham com novas pistas e acreditam estarem mais perto de encontrar Lázaro Barbosa Sousa, 33 anos, suspeito de cometer um triplo homicídio no Incra 9, em Ceilândia Norte, e de sequestrar a empresária Cleonice Marques, 43 anos. Ontem, a polícia descobriu que Lázaro fez mais um refém (o terceiro desde o início da fuga), roubou um carro do modelo Fiat Pálio e fugiu para a cidade de Cocalzinho (GO). Lá, ele teria contado com a ajuda de um comparsa, segundo indicam as investigações.

Durante a madrugada, policiais foram acionados para uma ocorrência de roubo em uma residência próxima ao pesque-pague Papaléguas, também em Ceilândia. Fontes policiais informaram que um homem invadiu a casa por volta das 20h de quinta-feira, amarrou o funcionário e levou um carro. Ele teria deixado o imóvel às 3h30 e seguiu para Cocalzinho, onde ateou fogo no veículo.

O comandante do Batalhão da cidade, o tenente Gerson de Paula, afirmou ao Correio que o suspeito, após incendiar o automóvel, foi ajudado por um colega na rodovia. “O senhor que o buscou foi ouvido, e continuamos em diligências. É o que podemos dizer até o momento”, frisou o tenente. Mais de 80 policiais civis e militares do DF e Entorno, auditores-fiscais e rodoviários federais estiveram no município de Cocalzinho para localizar Lázaro — que é investigado por cometer, pelo menos, 10 homicídios na região de Girassol, Cocalzinho e no DF.

Outro refém

Na manhã de quinta-feira, o homem também teria entrado armado em uma residência que fica a 3km de distância da chácara onde Cláudio Vidal, 48, e dos dois filhos, Gustavo, 21, e Carlos Eduardo, 15, foram mortos — a mãe, Cleonice Marques, 43, continua desaparecida. Sílvia Campos, 40, proprietária da chácara, e o caseiro, identificado como Anderson, 18, estiveram sob a mira do criminoso por mais de três horas. Ela contou que o homem confessou participação no triplo homicídio. “Ele perguntou se eu estava acompanhando o noticiário e afirmou que estava envolvido, mas que não tinha agido sozinho”, relatou.

Abalada, a mãe de Anderson conversou com o Correio e deu mais detalhes do crime. Antônia Fernandes, 51, contou que Lázaro obrigou o filho dela e Sílvia a fumarem maconha. “Ele enrolou dois cigarros e deu a ordem. Não senti minhas pernas ao saber da notícia”, disse, emocionada. Enquanto estava na casa, o criminoso obrigou que Sílvia cozinhasse para ele e lhe servisse. A todo momento, o homem pedia para que as vítimas olhassem para a parede, sentados de costas. O suspeito deixou a casa levando mais de R$ 200, jaqueta, celulares e carregador telefônico.

Desaparecida

O que intriga os investigadores é o paradeiro da empresária Cleonice Marques. A polícia acredita que ela tenha sido sequestrada por Lázaro, após a chacina ocorrida na casa na quarta-feira. A suspeita é embasada nas últimas palavras de Cláudio Vidal, que revelou a situação ao cunhado que foi prestar socorro.
Lázaro invadiu a residência da família por volta das 2h. Ele arrombou a porta e, em menos de 10 minutos, matou o marido de Cleonice e os dois filhos a facadas. Antes de conseguir entrar na casa, a empresária ligou para o irmão pedindo socorro. O familiar chegou ao imóvel em pouco tempo, mas se deparou com os corpos no quarto e não encontrou Cleonice. Mesmo agonizando, Cláudio conseguiu alertar o cunhado: “Age rápido. Levaram a Cleonice”, disse segundos antes de morrer.

* Colaborou Rafaela Martins


Palavra de especialista

Corrida contra o tempo

As buscas devem ser multidisciplinares, envolvendo as diversas forças de segurança locais, bem como auxílios de outros órgãos, como militares das forças armadas, com experiência em rastrear pessoas em áreas de difícil acesso. Trata-se de alguém que traz extrema dificuldade de atuação. É uma combinação das mais difíceis de operar.

Pelo perfil psicológico e histórico de crimes, é um agressor que possui um desequilíbrio anormal, e que sempre agrega violência em suas ações. Quanto mais tempo é gasto, menores são as chances de recuperar a desaparecida com vida. Reunir mais agentes públicos de segurança na busca e trazer auxílio especializado — tanto dentro do DF como fora — é um passo natural para que o tempo seja encurtado nessa operação.

Não estamos falando de um criminoso comum nem de um caso que ocorra com frequência. Precisamos lembrar, também, que, diante das características do suspeito, episódios como esse trazem dificuldade de solução, tanto aqui como em qualquer outro lugar no mundo. Não é uma falha das instituições e, sim, um cenário completamente fora das ações criminosas de costume.

Leonardo Sant’Anna, especialista em segurança pública e consultor de segurança da ONU

Quem é Lázaro

Lázaro Barbosa Sousa, 33, tem uma extensa ficha criminal. A ele, são atribuídos crimes como estupros, roubos, homicídios e fugas de presídios. O Correio descobriu que Lázaro perdeu um irmão, de 18 anos, em 2015, vítima de homicídio. O suspeito ainda tem outros dois irmãos por parte de pai, mas que nunca os conheceu. Os pais de Lázaro moram em Girassol (GO), mas estão separados há mais de 20 anos.

Os policiais também fizeram buscas na casa deles. O pai informou que não mantém contato com o filho há, pelo menos, seis anos. Já a mãe alegou que não sabe o paradeiro do filho. A separação, com base no relatório, ocorreu porque o pai era alcoólatra e agredia fisicamente a esposa e os filhos.

Um documento obtido com exclusividade pelo Correio revelou, por meio de um laudo psicológico elaborado no Complexo Penitenciário da Papuda em 2013, que Lázaro é uma pessoa agressiva, impulsiva, instável e com “preocupações sexuais”. À época, ele foi condenado e ganhou liberdade em março de 2016. Em 2013, quando ele tinha 26 anos, testes comprovaram traços como agressividade, ansiedade e tensão, possibilidade de ruptura do equilíbrio; preocupações sexuais; e sentimentos de angústia.

O criminoso também tem um histórico de uso abusivo de drogas e álcool, perturbações psíquicas, instabilidade profissional, interrupção no aprendizado, internação em orfanatos e fugas de casas, revelou o laudo.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE