Tiroteio

Caseiro troca tiros com criminoso em Goiás; polícia investiga se era Lázaro

Funcionário de chácara informou aos policiais que um homem teria tentado arrombar a porta do imóvel e que atirou para se defender. Suspeito teria revidado os tiros, mas não acertou a vítima

Darcianne Diogo
postado em 23/06/2021 00:01 / atualizado em 23/06/2021 00:24
Tiroteio aconteceu na noite desta terça-feira (22/6), em uma chácara do distrito de Girassol, em Cocalzinho (GO) -  (crédito: Minervino Junior/ CB/D.A Press)
Tiroteio aconteceu na noite desta terça-feira (22/6), em uma chácara do distrito de Girassol, em Cocalzinho (GO) - (crédito: Minervino Junior/ CB/D.A Press)

Moradores do distrito de Girassol, em Cocalzinho (GO), acionaram a polícia na noite desta terça-feira (22/6), para atender a uma ocorrência de troca de tiros em uma chácara. O caseiro que trabalha no endereço informou aos policiais que um homem tentou arrombar a porta da casa. No entanto, até o momento, não há a confirmação de que o suspeito seja Lázaro Barbosa Sousa, 32 anos, foragido há 14 dias.

Os policiais estavam na Escola Municipal Alto da Boa Vista, onde as forças de segurança montaram uma base, quando carros da corporação saíram rumo ao povoado de Edilândia, também em Cocalzinho. O caseiro afirmou que atirou para se defender do invasor. O suspeito teria revidado os tiros, mas não atingiu a vítima. O funcionário não soube dizer se o criminoso foi baleado.

Invasão

Em 14 de junho, Lázaro Barbosa trocou tiros com o caseiro de uma chácara em Edilândia. O funcionário, que não teve a identidade revelada, disse saber que Lázaro invadiria a fazenda onde ele trabalha. "Eu tinha certeza que ele passaria por aqui hoje (em 14 de junho). Até falei aos policiais que, se quisessem montar uma base aqui, poderiam", contou.

A vítima estava com outra pessoa na chácara e, dias antes, havia deixado a mulher em casa, por medo. "Ouvimos um barulho e gritei com ele (o invasor). Ele disse que entraria, mas o rapaz que estava comigo falou que ligaria para a polícia. Foi quando ele atirou, e nós revidamos", relatou.

O caseiro não ficou ferido e disse que ainda ouviu do suspeito: "Você me acertou, mas eu vou te matar". "Foi quando eu desliguei o relógio (de energia da casa) e falei que, se ele entrasse, eu o mataria", completou a vítima.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE