CUSTO

Índice Ceasa: Preço da banana-nanica sobe 81,95% em julho no DF

Resultado divulgado nesta terça (10/8) aponta que houve crescimento total de 12,2% no custo dos alimentos no mês. Legumes subiram mais de 23% e verduras, 17%

Ana Isabel Mansur
postado em 10/08/2021 19:31 / atualizado em 11/08/2021 15:53
O preço da fruta aumentou por conta das geadas nas regiões Sul e Sudeste, que afetaram a produção -
O preço da fruta aumentou por conta das geadas nas regiões Sul e Sudeste, que afetaram a produção -

O Índice Ceasa, que acompanha o preço de 66 itens de hortifrutigranjeiros e mede o preço dos alimentos, subiu 12,2% no Distrito Federal em julho. Os dados foram divulgados nesta terça-feira (10/8), pela Central de Abastecimento do DF (Ceasa). Apesar do aumento, a média acumulada de 2021 está em queda de 5,33%.

O índice é composto pelo valor de frutas, legumes e verduras, além de ovos e grãos. No mês passado, o custo dos legumes cresceu 23,34% e o das verduras teve alta de 17,15%. Os preços das frutas registraram aumento de 8,25% e ovos e grãos passaram a custar 2,06% a mais do que no mês anterior. A previsão de novas ondas de frio durante o mês de agosto deve continuar influenciando bastante os preços dos produtos.

Entre as frutas, o destaque é a banana-nanica, cujo preço cresceu 81,95% em julho no DF, principalmente pelas geadas nas regiões Sul e Sudeste, que afetaram a produção. O valor do mamão formosa aumentou 41,9% no mês, influenciado pelo clima, que atrasa o ponto de comercialização da fruta.

Os custos da manga tommy (+27,04%) e do abacate (+26,67%) na capital federal no período foram afetados pelo ciclo de produção dos alimentos. O limão tahiti, por sua vez, passou a custar 22,29% mais caro, por conta da seca seguida de queda nas temperaturas.

Legumes e verduras

No mês passado, a vagem ficou 103,26% mais cara no Distrito Federal e o quiabo passou a custar 88,99% a mais do que em junho. O tomate, o chuchu e a cenoura registraram aumento de mais de 50% nos preços. A batata e cebola registraram queda nos custos, de 20% e 8,29%, respectivamente, e impediram que o grupo dos legumes apresentasse crescimento ainda maior nos valores.

Em relação às verduras, o preço do repolho subiu 41,89% e o da couve-flor cresceu 24,41%. O brócolis passou a custar 18,46% a mais do que em junho.

No grupo dos ovos e grãos, o preço dos ovos de galinha branco aumentou 3,37%, e o do vermelho, 3,85%, pressionados pelos custos de produção.

O Índice Ceasa do DF procura demonstrar o movimento dos preços praticados pelo mercado atacadista na capital federal, refletindo a real situação de mercado dos principais produtos comercializados. A escolha dos produtos que compõem a taxa é baseada na importância do item para a alimentação brasileira, além da quantidade comercializada na Ceasa-DF.





Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE