Prisão

Presa organização criminosa que roubava veículos e instalava rastreadores

Grupo era especializado em roubo e adulteração de sinais identificadores dos carros. Corporação de Repressão aos Crimes Patrimoniais acompanha o caso desde fevereiro

Correio Braziliense
postado em 12/08/2021 19:31 / atualizado em 12/08/2021 19:50
Estima-se que grupo tenha sido responsável pelo roubo de 15 automóveis -  (crédito: Ed Alves/CB/D.A Press)
Estima-se que grupo tenha sido responsável pelo roubo de 15 automóveis - (crédito: Ed Alves/CB/D.A Press)

A Polícia Civil do DF cumpriu, nesta quinta-feira (12/08), 14 mandados de prisão preventiva e dez de busca e apreensão domiciliar numa investigação que identificou um grupo especializado no roubo de veículos. Batizada de  Operação Marco Zero, ela levou policiais da Corporação de Repressão aos Crimes Patrimoniais (Corpatri) a investigarem núcleos criminosos nas regiões administrativas do Recanto das Emas, Riacho Fundo e Santa Maria.

Segundo a polícia, os investigados roubavam os carros e instalavam rastreadores para monitorá-los caso fossem recuperados pelos proprietários. Além disso, áudios obtidos pelos agentes da Delegacia-Geral da PCDF revelam que a organização aceitava encomendas. Os receptadores podiam escolher o modelo, potência do motor entre outras características do veículo.

A investigação é conduzida desde fevereiro e identificou uma estrutura em três núcleos. O primeiro, formado pelos líderes, teria a função de planejar e organizar as ações criminosas, escolhendo os veículos, os participantes dos crimes, bem como definindo a destinação dos carros subtraídos. O segundo núcleo, composto pelos executores, teria a missão de praticarem os roubos. No terceiro estavam os adulteradores dos sinais identificadores dos veículos e eram responsáveis por viabilizar a circulação e comercialização dos automóveis.

A sede da organização ficava Recanto das Emas, onde acontecia a adulteração de sinais identificadores dos veículos. Estima-se que eles tenham sido responsáveis por 15 roubos de veículos no Distrito Federal. A maior parte dos investigados possui uma extensa ficha criminal. Os presos responderão pelos crimes de organização criminosa - com penas de três a oito anos de reclusão -, assim como roubo - penas de quatro a dez anos de reclusão, com aumento de pena pelo emprego de arma de fogo.

 

*Com informações da Polícia Civil do Distrito Federal

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE