ESTELIONATO

Falso pastor também foi acusado de agressão e abuso sexual por ex-companheiras 

Estelionatário foi preso neste sábado (14/8) em shopping de Taguatinga. Delegado de Sergipe, responsável pelo caso, afirmou que outros crimes pesam na ficha criminal de Alailson Amorim

Luana Patriolino
postado em 15/08/2021 00:49
 (crédito: Reprodução/redes sociais)
(crédito: Reprodução/redes sociais)

Preso neste sábado (14/8), em Taguatinga, como um dos maiores estelionatários do país, Alailson Amorim, de 41 anos, natural de Sergipe, tem uma extensa ficha criminal com acusações ainda mais graves do que os furtos e as mentiras que contava para as pessoas. O homem, que ficou conhecido como falso pastor, também acumula suspeitas de abusos sexuais e agressões contra mulheres com quem se relacionou.

Ao Correio, o delegado Hugo Leonardo Melo, da Polícia Civil de Sergipe (PCSE), responsável por coordenar a investigação que prendeu o criminoso, disse que Alailson era violento com ex-companheiras. “Ele foi casado com uma pastora no Maranhão. Ela contou que ele chegou a fazer cárcere privado com ela, roubou móveis e dinheiro dela no banco”, disse.

Outras acusações também pesam na ficha do estelionatário. “Algumas vítimas contaram que ele agredia as companheiras e abusava sexualmente delas”, afirma o delegado sergipano. “Ele dizia que elas eram obrigadas a terem relações com ele”, disse Hugo Leonardo.

O delegado destacou que o criminoso estava sendo monitorado desde fevereiro deste ano. Alailson era procurado também por outros crimes. “Ele fez uma vítima, um senhor idoso. Nesse caso, vira estelionato majorado, já que a pessoa tem mais de 60 anos. É um agravante”, aponta.

Alailson Amorim estaria com uma passagem comprada para Portugal. Ele pretendia fugir das investigações. “Descobrimos que ele tinha uma viagem marcada para Lisboa, no dia 20 de agosto. Uma possível fuga. Precisamos correr mais ainda”, ressalta Hugo Leonardo. “Ele se hospedava na casa de pessoas da igreja se apresentando como pastor. Então, na primeira oportunidade, ele fugia levando computadores, móveis e até os carros das vítimas”, conclui o delegado.

Na casa em que estava morando, em Ceilândia, a polícia encontrou joias, dinheiro, máquinas de cartão e celulares. Alailson Amorim está preso na 15ª Delegacia de Polícia (Ceilândia Centro) e será recambiado neste domingo (15/8) para Sergipe.

Preso em shopping

A Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) e a Polícia Civil de Sergipe (PCSE) prenderam, na tarde deste sábado, Alailson Amorim, 41 anos, por furto e estelionato. Ele foi localizado no JK Shopping, depois de publicar uma foto nas redes sociais. O homem era conhecido como falso pastor e teria aplicado golpes em centenas de pessoas em todo país.

O sargento Neves, do 10° Batalhão da Polícia Militar, esteve presente na prisão do suspeito em conjunto com a Polícia Civil sergipana. “Ele tinha atuação em vários estados. Chegou a informação de que há uma semana ele estava aqui em Brasília. Ele postou uma foto dele nas redes dele em um shopping”, relatou.

Contra Alaison havia três mandados de prisão em aberto por estelionato e furto. Ele foi preso na parte externa do centro de compras e cogitou fugir dos policiais. “Não ofereceu resistência, mas fez aquele gesto de que ia correr. Estávamos preparados para pegá-lo”, disse o sargento.

Segundo a polícia, o falso pastor atraía as pessoas com promessas enganosas, pedia ofertas para a igreja e depois desaparecia com o dinheiro das vítimas. A investigação também tem relatos de pessoas que venderam objetos para Alailson, mas nunca receberam o pagamento. Ele ainda é suspeito de aplicar o famoso golpe do Don Juan. “Tinha relacionamentos com mulheres, pedia dinheiro emprestado e depois sumia”, afirma Neves.

O Código Penal prevê para o furto pena de reclusão de 1 a 4 anos e multa; e para estelionato de 1 a 5 anos, além de multa.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE