Crime

Integrantes de grupo que fraudava cartões de crédito são presos

Suspeitos fraudavam a segunda via do cartão de crédito e aliciavam porteiros para receber correspondência ilegal. Eles são investigados também pela venda ilegal de pedras preciosas

Renata Nagashima
postado em 07/10/2021 11:28 / atualizado em 07/10/2021 11:35
 (crédito: Divulgação/PCDF)
(crédito: Divulgação/PCDF)

A Coordenação de Repressão aos Crimes Contra o Consumidor, a Ordem Tributária e a Fraudes (Corf), da Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF), prendeu, na manhã desta quinta-feira (7/10), uma quadrilha, liderada por um pastor de igreja evangélica suspeita de fraude de segunda via de pedidos de cartões de crédito, uso de documento falso, invasão e venda irregular de imóveis, parcelamento de terras, comercialização de pedras preciosas e venda ilegal de munições e armas.

Foram cumpridos nove mandados de busca e apreensão e dois de prisão temporária em Águas Claras, no Guará, em Taguatinga, no Riacho Fundo II e no Park Way. Durante a Operação Segunda Via, os policiais apreenderam 6 kg de esmeraldas, 3 kg de rubi e 12 kg de alexandrita. De acordo com a PCDF, as pedras estão avaliadas em R$ 1,5 milhão. Os suspeitos usavam empresas de fachada no nome de “laranjas” para não levantar suspeitas a respeito do lucro com os crimes.

Segundo o delegado Wisllei Salomão, coordenador da Corf, as investigações tiveram início no ano passado, quando a divisão começou a apurar fraude em solicitações de segunda via de cartões. Os suspeitos tinham ajuda de um porteiro, que recebia as correspondências em endereços de Vicente Pires e da Asa Sul.

“Os criminosos, através de dados bancários de moradores no Nordeste, solicitavam a segunda via do cartão de crédito, que eram recebidas no DF por porteiros já previamente aliciados e que recebia R$ 50 por cada correspondência ilegal”, acrescentou o delegado. Com os cartões em mãos, os criminosos gastavam, em média, de R$ 2 mil a R$ 3 mil.

Durante o cumprimento dos mandados, os policiais apreenderam um simulacro de arma de fogo.

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE