Operação

Jovem é investigado no DF por divulgar fotos íntimas da ex-namorada

Policiais civis da 38ª DP (Vicente Pires) cumpriram um mandado de busca e apreensão expedido contra o acusado, que criou perfis falsos e divulgou imagens e o celular da vítima

Pedro Marra
postado em 06/10/2021 12:59 / atualizado em 06/10/2021 12:59
 (crédito: PCDF/Divulgação)
(crédito: PCDF/Divulgação)

Um jovem, 22 anos, é investigado pela Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) por divulgar fotos íntimas da ex-namorada e criar perfis falsos dela em redes sociais. Denominada pela 38ª DP (Vicente Pires) de Operação Bad Boyfriend (namorado mau, em inglês), a ação levou à execução de um mandado de busca e apreensão expedido contra o acusado.

A investigação foi iniciada em julho deste ano, após a vítima registrar um boletim de ocorrência e noticiar que teve um relacionamento amoroso com o autor durante um ano e meio, tempo no qual ele se mostrou uma pessoa ciumenta e possessiva. Segundo investigadores, apesar de nunca ter sido agredida fisicamente, a mulher havia sofrido agressões verbais e psicológicas.

Mesmo após ela ter dado fim ao relacionamento, que durou cerca de um ano, o autor nunca aceitou o término do namoro. No início de julho, por meio de uma plataforma digital de mensagens, ele  começou a conversar com vários homens ao se passar pela vítima.

"A vítima passou a receber diversos contatos em seu telefone pessoal de homens desconhecidos pedindo nudes, e ela acabou descobrindo que o seu ex-namorado estaria se passando por ela nessa plataforma de conversa digital", explica o delegado-chefe da 38ª DP, João de Ataliba Neto.

Nos diálogos, ele postou a seguinte mensagem: "oi, tenho 21 aninhos, se quiser nudes, me chama no zap". Ele também postou o prenome e o verdadeiro telefone da vítima.

A atitude causou transtornos à ex-namorada, pois ela começou a receber mensagens, via aplicativo, de vários homens desconhecidos. Por fim, a vítima informou que o autor postou no próprio status do WhatsApp uma foto da genitália da vitima, que, ao questionar o motivo da exposição, ele respondeu: "vou f... com sua vida”.

Em busca feita na residência do suspeito, situada em Taguatinga Sul, foram apreendidos aparelhos eletrônicos do autor e pequenas porções de drogas adquiridas para seu consumo pessoal. No celular do jovem, havia fotos e vídeos íntimos da vítima e do casal, entre os quais a foto do órgão íntimo da vítima, divulgada em seu status do aplicativo.

 

Pelos atos praticados, o autor foi indiciado pelos crimes de divulgação de fotografia de nudez sem o consentimento da vítima e de falsa identidade. Somadas as penas, ele pode pegar até nove anos de prisão. O acusado ainda foi preso em flagrante por posse de drogas para consumo pessoal e foi liberado após assinar o termo para comparecimer em juízo quando for intimado.

Cenas de sexo

Este é o segundo caso, em 14 dias, que um jovem divulga imagens íntimas de uma ex-namorada nas redes sociais. Em 22 de setembro, policiais da mesma 38ª DP (Vicente Pires) prenderam um jovem de 20 anos durante cumprimento de mandados de busca e apreensão contra outros dois investigados por divulgarem cenas de sexo sem o consentimento da vítima.

De acordo com informações da PCDF, o rapaz preso teria divulgado os vídeos depois que a jovem de 19 anos terminou o namoro de quatro anos com ele. O ex-namorado encaminhou, por meio de aplicativos de mensagens, imagens de momentos íntimos do casal.

Os policiais cumpriram mandados contra mais dois rapazes, suspeitos de também terem divulgado os vídeos de sexo sem o consentimento da garota. Nas buscas foram apreendidos os aparelhos de celulares dos três investigados, além do notebook do ex-namorado da vítima.

Um dos jovens tinha um cigarro de maconha em casa e foi preso em flagrante pelo crime de posse de drogas para consumo pessoal. Na delegacia, ele confessou que havia recebido e visto o vídeo íntimo do casal, enviado pelo ex-namorado da vítima, mas alegou ter apagado em seguida.

Na época, o ex-namorado da vítima foi indiciado pelo crime de divulgação de cena de sexo sem o consentimento da vítima. A pena varia de 1 a 5 anos de prisão, podendo aumentar um ou dois terços pelo fato de ter mantido relação íntima de afeto com a vítima.

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE