Trânsito

Servidor da UnB que atropelou e matou ciclista responderá em liberdade

Identificado como Marco Antônio Ferreira Lopes, o homem foi solto nesta terça-feira (12/10), após pagar fiança de R$ 20 mil

Rafaela Martins
postado em 12/10/2021 17:17 / atualizado em 12/10/2021 17:56
Associação dos Ciclistas de Planaltina (ASCICLO) organizou uma homenagem ao ciclista atropelado e morto por servidor da UnB -  (crédito: Material cedido ao Correio)
Associação dos Ciclistas de Planaltina (ASCICLO) organizou uma homenagem ao ciclista atropelado e morto por servidor da UnB - (crédito: Material cedido ao Correio)

O servidor da Universidade de Brasília (UnB) Marco Antônio Ferreira Lopes, 29 anos, que atropelou e matou o ciclista Gilson da Silva, 36 anos, morador de Planaltina, na manhã de domingo (10/10), responderá em liberdade.

Nesta terça-feira (12/10), o servidor público passou por audiência de custódia, pagou R$ 20 mil de fiança e ganhou o direito de responder em liberdade. No dia do acidente, Gilson estava a caminho da padaria em que trabalhava quando, por volta das 6h, foi atingido pelo carro de Marco Antônio.

O condutor não se feriu, mas a vítima foi encaminhada em estado grave para o Hospital Regional de Planaltina e, horas depois, não resistiu aos ferimentos e morreu. Marco Antônio foi preso em flagrante e não fez o teste do bafômetro.

O cunhado de Gilson, Ronilson Rosa revelou ao Correio que os parentes estão abalados e esperam que a justiça seja feita. “Ele era um cara muito brincalhão e trabalhador. Todos os dias ele fazia esse caminho de bicicleta para chegar na panificadora, então nós queremos que a justiça seja feita, só isso. Daqui para frente, vamos seguir a vida, mas ele era um cara muito presente e ninguém vai ocupar esse lugar”, disse Ronilson.

O velório de Gilson acontecerá na quarta-feira (13/10), às 14h30, no cemitério de Planaltina-DF.

Homenagem

A Associação dos Ciclistas de Planaltina (ASCICLO) organizou uma homenagem no local do acidente, na noite de segunda-feira (11/10), por volta das 20h. Entoando o nome de Gilson, o grupo de aproximadamente 30 ciclistas foi às ruas para demonstrar indignação e apoio aos familiares que estavam presentes.

Presidente da instituição, Eduardo Guimarães, entrou em contato com a família da vítima com objetivo de prestar solidariedade e pedir autorização para instalar uma bicicleta branca - Ghost Bike - no local onde o ciclista foi atingido. O grupo também divulgou uma nota de pesar sobre o ocorrido.

 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE