Jornal Correio Braziliense

Centenário

Ex-governador do DF José Ornellas comemora 100 anos nesta terça-feira

José Ornellas esteve no comando da capital federal entre 1982 e 1985. Nesta terça-feira (30/11), celebra 100 anos de vida

Governador do Distrito Federal entre os anos de 1982 e 1985, José Ornellas de Souza Filho, conhecido como Zé Ornellas, comemora 100 anos, nesta terça-feira (30/11). Nascido no Rio de Janeiro, o oficial do Exército chegou ao DF em 1973, com 51 anos, designado para um trabalho provisório, de oito meses, na Subsecretaria de Educação do Ministério da Educação e Cultura. Em pouco tempo já estava apaixonado pela capital e decidiu ficar na cidade.

No ano seguinte, Ornellas ingressou na Telecomunicações Brasileiras S.A. (Telebras), onde foi secretário de recursos humanos e vice-presidente até 1982, quando foi nomeado governador do Distrito Federal. Ele assumiu a chefia do Executivo brasiliense em julho daquele ano, em substituição a Aimé Lamaison.

Durante seu mandato, o ex-governador criou a Vila São José, em Brazlândia, urbanizou Planaltina e fez as obras de captação fluvial em Ceilândia, principalmente no Setor O. "Ele fazia reuniões comunitárias em todas as cidades: administrador, secretários e comunidade, ao final, apresentava as propostas de trabalho e as realizava", recorda Jair Tedeschi, ajudante-de-ordem de Ornellas durante o mandato.

Em abril de 1985, Ornelas deixou o governo de Brasília. Em outubro de 1990, filiou-se ao Partido Liberal (PL) e foi eleito deputado distrital. Em agosto de 1993, licenciou-se do mandato para ocupar o cargo de secretário da Indústria, Comércio e Desenvolvimento do Distrito Federal, no governo de Joaquim Roriz (1991-1994). De volta à Câmara Legislativa após oito meses à frente da secretaria, candidatou-se à reeleição, uma vez mais pela legenda liberal, no pleito de outubro de 1994, não obtendo votação suficiente para garantir-lhe o retorno àquela casa.

"Fui eleito e indicado para ser o Segundo Secretário da Mesa Diretora, responsável pela administração da Câmara. A esta altura, eu e minha família já estávamos gostando de Brasília. E foi nessa época que recebi o convite para ser o Assessor da Presidência da Federação do Comércio. Aceitei e lá fiquei até os 90 anos", relata José Ornellas.

Respeito e admiração

Chegar aos 100 anos não é para qualquer um. O segredo, segundo Ornellas, é se dedicar a "ter uma boa saúde, ter uma vida de muito trabalho, exercício físico, alimentar-se bem e ter paz em seu lar", afirma. Com um século de vida, ele se sente realizado pela trajetória que construiu. "Sinto-me muito feliz, pois cheguei até aqui com saúde, reconhecido como um homem de bem em minhas importantes missões, querido por meus amigos e com uma família extraordinária, especialmente minha querida esposa Zely, que faz também 100 anos no dia 03 de dezembro."

Admirado por muitos, até hoje o ex-governador é lembrado pela atuação no serviço público. "Sinto-me orgulhoso e agradecido ao povo do Distrito Federal pelo reconhecimento ao meu trabalho. Tenho muito orgulho", diz.

Motivos para admirar o sogro é o que não falta para Nélida Haas Ornelas de Souza, 75 anos, que rasga elogios ao falar de José Ornellas. Quando tinha apenas 12 anos, ela começou a estudar na mesma escola que os filhos de Ornelas. "O destino foi camarada e fez estreitar nossos laços de amizade, tornando-o meu sogro, e, muitas vezes, até pai. Mais tarde, revelou-se dedicado e carinhoso avô para meus filhos, José Renato e Paula, além de muito amado bisavô para meu neto Vicente. Assim, através desta convivência de mais de 60 anos, passei a apreciá-lo e amá-lo cada vez mais", conta.

Voluntário

Homem religioso e metódico, dedica imenso amor à sua esposa Zely Ornellas, 99 anos. Segundo a nora, tem sempre uma palavra amiga e tempo para ajudar os familiares e incontáveis amigos, além de trabalhar como voluntário em entidades de caridade e religiosas, apesar das inúmeras responsabilidades assumidas no decorrer da vida. "O que mais admiro nele é ter continuado sempre a ser esta pessoa simples e afável, mesmo ocupando cargos de destaque."

Mesmo morando no Rio de Janeiro, Nélida faz questão de manter o contato com o sogro, que é antenado nas redes sociais e faz questão de acompanhar a evolução do mundo e da tecnologia. "Incrível também ter trabalhado presencialmente até os 90 anos de idade. Na vida profissional, sempre foi exemplo de dedicação, honestidade e competência nos cargos ocupados nas Forças Armadas, na área da Educação, das Telecomunicações e no Serviço Público, demonstrando sempre seu amor à pátria", admira.

As lembranças que Fernando Ornelas Abras, 43, tem do avô são de uma pessoa sempre generosa. "A primeira delas era dele me ajudando com as lições de matemática, ele sempre foi bom em matemática. Até hoje, ele tem seu caderninho onde faz todas as contas do mês na ponta do lápis", recorda. Crescer e conviver com ele, para Fernando, foi, com certeza, uma aula de como ser um ser humano melhor. "Um marido dedicado, um chefe admirado, um pai amoroso e um avô incrível."

Orgulho é o que define a trajetória de Ornellas para o neto. "Suas conquistas ao lado da minha querida e amada avó são de deixar qualquer um de queixo caído. Que orgulho, que estrada.Sempre será uma referência para mim", diz Fernando.