NATAL E ANO-NOVO

Fim de ano leva esperança a brasilienses que acreditam em um 2022 melhor

Com o avanço da vacinação contra a covid-19 — além da consequente queda nas taxas associadas à doença —, brasilienses contam como se planejam para viver a magia do período reunidos com a família pela primeira vez desde o início da pandemia

Ana Maria Pol
postado em 03/12/2021 06:00
Apaixonada pela atmosfera desta época do ano, Amanda Carramaschi e o noivo se casarão na noite de ano-novo, em festa com temática natalina: felicidade para transbordar -  (crédito: Marcelo Ferreira/CB/D.A.Press)
Apaixonada pela atmosfera desta época do ano, Amanda Carramaschi e o noivo se casarão na noite de ano-novo, em festa com temática natalina: felicidade para transbordar - (crédito: Marcelo Ferreira/CB/D.A.Press)

Dezembro chegou e, com ele, a contagem regressiva para a magia das festas de fim de ano. Luzes coloridas enfeitam as fachadas de casas e prédios. E as árvores, decoradas com penduricalhos cintilantes, estão montadas. Para muitos, toda essa preparação se tornou mais especial porque, em 2021, o período trará a sensação de resgatar o amor e celebrar a vida, após um ano de perdas e desafios. Se as reuniões do período anterior ficaram marcadas pelo distanciamento entre inúmeras famílias, desta vez, abraços e beijos guardados há muito estarão de volta durante as ceias.

Apaixonada pelo Natal, a advogada Amanda Álvares Holanda Carramaschi, 24 anos, está ansiosa para se reunir com a família na data. Com todo o grupo vacinado, a expectativa pela troca presencial de afeto cresceu. "Ano passado, a casa estava menos cheia. Agora, nós nos sentimos um pouco mais seguros. Mas temos certeza de que a alegria e a magia do período vão transbordar em cada detalhe de nossas confraternizações", disse.

Outro acontecimento importante dará um caráter importante para este mês, pois a advogada começará uma nova jornada de vida. Depois de quase 10 anos de namoro, ela se casará na noite de ano-novo. "Vou juntar as escovas de dente com o meu presente de Deus. Tenho certeza de que construiremos uma família 100% natalina", brincou. Amanda contou que escolheu a data como forma de iniciar o ano com o pé direito: "A pandemia nos ensinou que não devemos perder tempo para amar. Fomos feitos para isso e para demonstrar esse sentimento cuidando, preocupando-nos com o próximo. Essa foi uma lição de vida que este triste período nos deixou".

A decoração da festa de casamento terá, inclusive, o Natal como tema. O objetivo, segundo Amanda, é transformar o espírito dessa fase em um sentimento que dure o ano todo. Em clima de amor e com elevada expectativa para o novo ano que se aproxima, a jovem destacou que planeja viver o momento para além das palavras, com foco, principalmente, em atitudes. "(Queremos nos unir) vivendo a fraternidade, a bondade, a generosidade e a caridade que Jesus Cristo viveu", completou.

 Sabrina Gomes e o marido, Matheus: passagem de ano traz esperança de novas oportunidades
Sabrina Gomes e o marido, Matheus: passagem de ano traz esperança de novas oportunidades (foto: Arquivo Pessoal)

Tempo de preparação

Neste período do ano, grande parte dos brasilienses começa a organizar a casa para as festividades. Alguns aproveitam, também, para se despedir de velhos hábitos, comprometendo-se a tentar hábitos melhores. Para a empresária Sabrina Gomes de Oliveira, 26, o dia de ano-novo representa um momento de passagem do antigo para a mudança. "É a esperança de mais oportunidades", resumiu.

Sabrina disse que a ânsia pela chegada de 2022 aumentou durante a pandemia. Isso porque, para a empresária, a perda de contato com pessoas queridas, causada pelo distanciamento social — além da situação de crise —, fez com que os brasileiros torcessem por dias melhores. "Havia aquele sentimento de que vencemos mais um ano. (Em 2021) não foi fácil. Mas estamos vivos, e isso é uma grande vitória. A vida é, realmente, um sopro. Devemos viver, amar e falar o quanto amamos alguém hoje, pois o amanhã pode não chegar", refletiu.

Para o próximo ano, a empresária planeja levar os bons aprendizados. Por isso, além do ano-novo, que ela pretende celebrar com os amigos, o Natal será uma oportunidade de colocar isso em prática, bem como de matar a saudade da família e abraçar quem não encontrava há muitos meses. "Aprendi a dar valor aos pequenos momentos. Até uma chamada de vídeo passou a ser marcante. Estamos muito ansiosos para nos ver presencialmente e celebrar as datas, que sempre foram muito importantes para nós", afirmou Sabrina.

Além da preparação emocional, a empresária disse que organizou toda a casa, de maneira antecipada e com ajuda da família. "Por causa da ansiedade, começamos a fazer os enfeites na primeira semana de novembro. Queremos nos reunir novamente o quanto antes. E faremos tudo com nossas próprias mãos: mesa, ceia, absolutamente tudo. Queremos que este ano seja o mais especial possível. Por isso, decidimos trazer amor em cada detalhe. Assim, nada mais especial do que algo feito por nós mesmos", salientou.

 Natália Lopes (blusa rosa) sente falta de celebrar o fim de ano com famílias paterna e materna
Natália Lopes (blusa rosa) sente falta de celebrar o fim de ano com famílias paterna e materna (foto: Arquivo Pessoal)

Farra em família

Para Natália Lopes de Oliveira, 23, as festas de final do ano são uma oportunidade perfeita para uma verdadeira farra. Isso porque a festa ocorre em dobro. No Natal, a universitária se reúne com a família materna, em um dia, e com a paterna, no outro. "Antes da pandemia, quanto mais cheio o Natal, melhor. Todo mundo se reunia e, no ano-novo, nós viajávamos. No último ano, porém, a festa ficou bem reduzida. Cada um ficou na própria casa. A pandemia acabou tirando a possibilidade de juntarmos várias pessoas", observou.

Com um Natal reduzido em 2021, as expectativas para as festividades deste ano cresceram. "Está praticamente todo mundo vacinado. Então, dará para nos reunirmos com mais tranquilidade. Depois da pandemia, ter todo mundo junto é um privilégio. Por isso, pretendo abraçar muito todos", contou. "Perdi pessoas próximas, vi amigos ficarem sem pessoas queridas. No geral, foi bem triste. Acho que este momento servirá para refletirmos sobre o que vale a pena de verdade. Aprendi a valorizar menos os bens materiais e focar no que realmente importa, que são as pessoas que eu amo", destacou.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE