Segurança

Distrito Federal tem 1.826 registros de desaparecidos só neste ano

Para especialista, não saber o paradeiro de um ente querido desencadeia ansiedade nos familiares que ficam sem notícias. Com a ajuda de um voluntário, morador de Formosa (GO) conseguiu reencontrar a família

Pedro Marra
Amanda Oliveira
postado em 18/12/2021 06:00 / atualizado em 18/12/2021 10:34
Gabriel Costa Carvalho era um ex-andarilho que conseguiu voltar para a família -  (crédito: Arquivo pessoal)
Gabriel Costa Carvalho era um ex-andarilho que conseguiu voltar para a família - (crédito: Arquivo pessoal)

A perda de um ente querido não é fácil, mas quando a família precisa lidar com um desaparecimento, o processo pode ser ainda mais doloroso. Em 2021, 1.826 registros de pessoas desaparecidas foram feitos no Distrito Federal, conforme dados da Secretaria de Segurança Pública do DF. Nacionalmente, o Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP) estima que 80 mil pessoas desapareçam todos os anos. Os motivos são os mais diversos, conflitos familiares, violência, saúde mental.

A saudade e as dúvidas por trás de cada desaparecimento motivam o jornalista Lima Rodrigues, 62 anos, a buscar, de maneira autônoma, as respostas que, muitas vezes, os órgãos públicos não conseguem dar aos familiares. Natural de Marabá (PA), Lima desenvolve esse trabalho social desde 2018 e já veio até Brasília na resolução de um dos casos. Em sua experiência, ele acredita que, muitas vezes, os desaparecimentos são por problemas de saúde mental ou questões emocionais. "Em determinado tempo, a família faz um registro de desentendimento familiar ou abandono", explica.

Em sua trajetória, ele contabiliza 15 casos solucionados e trabalha em outros 15 em todo Brasil, alguns desaparecidas há 20, 30 ou 40 anos. "Choro, me emociono e fico feliz quando faço uma família feliz ao reencontrar um parente desaparecido há muito tempo, o que é muito prazeroso, até porque são histórias de muita luta para divulgar nas cidades, em redes sociais e pedir ajuda para colegas da imprensa", explica Lima.

Mais do que números

A primeira pessoa que Lima ajudou a encontrar foi Gabriel Costa de Carvalho, um ex-andarilho, de 52 anos, que reencontrou a família em Formosa (GO), cidade natal, após 18 anos fora de casa.

Diagnosticado com esquizofrenia, ele foi encontrado pelo jornalista, nas ruas de Parauapebas, que compartilhou nas redes sociais a situação de Gabriel. Felizmente, ele foi reconhecido por um de seus irmãos que morava na cidade. Após o reencontro, ele trouxe os irmãos para Brasília, em 2 de novembro de 2018, em busca de tratamento psiquiátrico para o ex-andarilho. Ao chegar no Hospital São Vicente de Paulo (HSVP), em Taguatinga, não demorou para que outros familiares entrassem em contato e, assim, Gabriel pôde voltar para o lar.

Um parente que fez contato foi Audisney Carvalho, 34, morador de Planaltina. Ele conta que tinha lembranças do tio. "A gente conviveu três meses, quando ele morou com outro irmão dele, em Formosa (GO), época em que eu via o Gabriel de quinze em quinze dias", recorda. O sobrinho do idoso afirma que, em fevereiro de 2019, ele teve uma morte súbita, devido à esquizofrenia, mas foi enterrado no cemitério da cidade goiana e cercado pela família. "Foram dias muito felizes para a gente, tanto que a minha mãe ansiava muito por encontrar com ele, porque ela não sabia se ele estava vivo ou não", afirma o retificador automotivo.

De acordo com outra sobrinha de Gabriel, a comerciante Silvane de Carvalho, 45, o tio conseguiu resgatar algumas memórias junto da família, como informações de 40 anos. "A mente dele preservou todas as lembranças do passado, e ele comentou de um carro que ele tinha vontade de ter desde a infância, e a gente achou tão legal, porque ele ainda lembrava dos sonhos antigos", emociona-se.

Efeito emocional

Na avaliação de Sandra Rodrigues, psicóloga e pesquisadora com mestrado sobre o tema, o desaparecimento é um fenômeno mais complexo do que a morte, pois envolve sentimentos, como desesperança, sofrimento, culpa, raiva, impotência e medo acentuados. "Todos coexistindo com a esperança e a fé no reencontro, porque é um luto marcado pela oscilação e segue, enquanto a situação permanece incerta", explica.

Sandra, que publicou O luto das mães de crianças desaparecidas, em 2008, pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), concluir que muito do sofrimento está atrelado às incertezas e às fantasias acerca da localização e estado de saúde da pessoa desaparecida. "Leva a família, e principalmente as mães, a apresentarem altos níveis de ansiedade, desespero e temor, mas não impede o surgimento de sentimentos como esperança e fé, deflagrando a ambiguidade diária vivida pelas famílias", analisa a psicóloga.

Posicionamento

Procurada, a Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal (SSP/DF) informou que houve uma redução de 0,7% nos registros de desaparecidos ocorridos em todo o DF, comparando os primeiros onze meses deste ano e os de 2020. Foram 1.826 ocorrências em 2021 contra 1.838 no ano passado.

Para o órgão de segurança, campanhas educativas junto aos agentes de segurança e comunidades têm ajudado na redução dos números.

 

  • Gabriel Costa Carvalho era um ex-andarilho que conseguiu voltar para a família
    Gabriel Costa Carvalho era um ex-andarilho que conseguiu voltar para a família Foto: Arquivo pessoal
  • Gildewanderson Basílio, 33 anos, com a mãe, Leúdes, 52, em Anápolis (GO)
    Gildewanderson Basílio, 33 anos, com a mãe, Leúdes, 52, em Anápolis (GO) Foto: Arquivo pessoal
  • Gildewanderson Basílio, 33 anos, com a mãe, Leúdes, 52, em Anápolis (GO)
    Gildewanderson Basílio, 33 anos, com a mãe, Leúdes, 52, em Anápolis (GO) Foto: Arquivo pessoal
  • Lima junto de Gabriel, em Parauapebas (PA), em outubro de 2018, quando achou o homem
    Lima junto de Gabriel, em Parauapebas (PA), em outubro de 2018, quando achou o homem Foto: Arquivo pessoal
  • Lima Rodrigues, jornalista que ajuda famílias a encontrarem parentes desaparecidos pelo país
    Lima Rodrigues, jornalista que ajuda famílias a encontrarem parentes desaparecidos pelo país Foto: Carlos Vieira/CB/D.A.Press
  • Lima Rodrigues, jornalista que ajuda famílias a encontrarem parentes desaparecidos pelo país
    Lima Rodrigues, jornalista que ajuda famílias a encontrarem parentes desaparecidos pelo país Foto: Carlos Vieira/CB/D.A.Press
  • Lima Rodrigues, jornalista que ajuda famílias a encontrarem parentes desaparecidos pelo país
    Lima Rodrigues, jornalista que ajuda famílias a encontrarem parentes desaparecidos pelo país Foto: Carlos Vieira/CB/D.A.Press
  • Lima Rodrigues, jornalista que ajuda famílias a encontrarem parentes desaparecidos pelo país
    Lima Rodrigues, jornalista que ajuda famílias a encontrarem parentes desaparecidos pelo país Foto: Carlos Vieira/CB/D.A.Press
  • Gabriel ao lado de Lima, em novembro de 2018, no Hospital São Vicente de Paulo
    Gabriel ao lado de Lima, em novembro de 2018, no Hospital São Vicente de Paulo Foto: Arquivo pessoal
Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE