Saúde

Falta de leito no HB impede cirurgia de emergência em garoto de 9 anos

Segundo denúncia feita pela mãe, o menino tem um tumor no ouvido direito e recebeu indicação para cirurgia desde novembro do ano passado

Arthur de Souza
postado em 15/01/2022 23:19 / atualizado em 15/01/2022 23:20
 (crédito:  Pedro Ventura/Agencia Brasilia)
(crédito: Pedro Ventura/Agencia Brasilia)

Um garoto de 9 anos está impedido de realizar uma cirurgia de emergência, para retirada de um tumor, por falta de leito disponível no Hospital de Base (HB). A denúncia foi feita pela tia do menino, Denise Dias, 31, que postou o pedido de socorro da mãe, Estela Dias, 27, em uma rede social neste sábado (15/1).

Em entrevista ao Correio, Estela contou que o garoto nasceu com uma doença no ouvido direito que acabou se desenvolvendo para o tumor por negligência médica. “Sempre que levava ele em algum hospital público para consulta por causa do problema, os médicos me falavam que as dores dele não passavam de um quadro gripal”, reclama.

Ainda de acordo com a mãe, somente em 2019 o menino foi operado no HB, de forma emergencial, tratando o tumor de forma temporária. “ Ele voltou a reclamar de dores intensas no ouvido ano passado e, em novembro, fomos ao Hospital Base, onde indicaram para fazer uma nova cirurgia”, relata. “Só que no fim de dezembro as dores pioraram e voltamos para o HB. Lá, me informaram que não tinha leito disponível para que ele pudesse fazer a operação”, contou Estela.

Segundo a mãe, por conta da falta de leitos no HB, a unidade transferiu o menino para o Hospital Materno Infantil de Brasília (Hmib) no dia 30 de dezembro, onde ele se encontra internado até este sábado (15/1). “Meu filho está aqui apenas para controlar a infecção, só que o tumor está corroendo o crânio dele”.

O outro lado

O Correio entrou em contato com a Secretaria de Saúde (SES-DF) e a pasta informou que “o paciente está inserido na fila do Sistema de Regulação de Cirurgias Eletivas (SISREG), com classificação vermelha, aguardando disponibilidade de leito no Hospital de Base”. O órgão também afirmou que o sistema existe como medida de controle das filas para procedimentos eletivos e destacou que “cada unidade possui sua programação de cirurgia mensal, de acordo com a disponibilidade do seu centro cirúrgico e capacidade de leitos”.

Questionada sobre a previsão de liberação de um leito no HB para o garoto, a secretaria disse que a informação é de responsabilidade do Instituto de Gestão Estratégica de Saúde do Distrito Federal (Iges-DF). Em resposta, o instituto devolveu a responsabilidade para a pasta, afirmando que o controle dos leitos é feito pela SES-DF.

O Correio questionou novamente a Secretaria de Saúde sobre os fatos e o espaço segue aberto para o posicionamento do órgão.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE