O Pequeno Príncipe

Conheça um museu pessoal dedicado ao livro 'O pequeno príncipe' na Asa Norte

A professora Rosa de Lourdes Garcia é colecionadora, fã número um e curadora de um museu pessoal dedicado à obra 'O pequeno príncipe'

Renata Nagashima
postado em 03/04/2022 06:00
 Rosa de Lourdes Barros Garcia que possui uma coleção sobre o Pequeno Príncipe em seu apartamento na Asa Norte -  (crédito: Minervino Júnior/CB/D.A.Press)
Rosa de Lourdes Barros Garcia que possui uma coleção sobre o Pequeno Príncipe em seu apartamento na Asa Norte - (crédito: Minervino Júnior/CB/D.A.Press)

Na 416 Norte, há uma casa que poderia ser como todas as outras, mas em seu interior, um amor a torna única entre todas as demais. Há 54 anos, Rosa de Lourdes Barros Garcia, 77, coleciona livros e objetos relacionados à obra do escritor francês Antoine de Saint-Exupéry, autor do célebre clássico O pequeno príncipe. São cerca de 2.500 itens que contam um pouco da história do singelo encontro entre um aviador perdido no deserto e um "homenzinho" em uma incrível jornada interplanetária que, em sua perspicácia infantil, conquistou e segue conquistando leitores.

Em um apartamento de três quartos, ela coleciona todos os livros do autor francês, muitos estão em caixas, por falta de espaço. No acervo, centenas de edições do livro O pequeno príncipe, em 58 idiomas estrangeiros, além de 18 relógios, 54 canecas importadas, pôsteres, pratos decorativos, miniaturas, memorabília e artigos diversos.

Aos 11 anos, Rosa ouviu, pela primeira vez, a história do menino que era o soberano solitário do Asteroide B-612, e se apaixonou. "Foi amor à primeira vista", afirma. Nascida em Patos, interior da Paraíba, ela ganhou uma bolsa para estudar em um colégio interno de freiras alemãs, em Areias (PB). "Uma freira leu O pequeno príncipe para mim. Fiquei apaixonada por esse ser fictício. E, ao sair, depois de 13 anos no convento, eu comecei a procurar coisas do personagem", relata.

O primeiro item que encontrou foi uma coleção com seis cartões do Pequeno Príncipe. No Brasil, ainda não existiam muitas coisas do autor, então, Rosa garimpava. "Eu andava por onde eu podia e ficava atenta quanto chegavam coisas de fora. E aí fui juntando tudo que eu encontrava. Eu guardava escondido porque as pessoas diziam que era absurdo, uma professora que viveu a vida toda com freiras alemãs gostar de uma coisa de criança", conta a colecionadora.

Depois que saiu do convento, Rosa fez faculdade em João Pessoa, também na Paraíba, e, em 1970, se mudou para Brasília. Com ela, seu pequeno acervo, ainda secreto. Não demorou muito para ela decidir revelar sua paixão para o mundo. "Aí, chegou um ano que eu disse: por que é que eu vou me privar das coisas que eu mais amo? Tirei tudo e expus", lembra. Logo, o apartamento de três quartos ficou pequeno. Até a televisão ela resolveu tirar para dar espaço a pequenas miniaturas do personagem.

Logo na entrada, na porta, a identificação "Asteroide B-612", uma referência ao planeta do Pequeno Príncipe. O apartamento ela carinhosamente chama de toca da raposa, outra referência ao livro. Durante as conversas, ela sempre dá um jeito de introduzir frases da obra. Quem entra na casa se sente no mundo criado por Antoine de Saint-Exupéry. Nas paredes, pôsteres e papéis de parede. O que não falta são raposas e miniaturas do principezinho.

Por toda parte, há itens que fazem referência ao livro e frases que convidam qualquer "pessoa grande" refletir junto com a criança que tem dentro de si. Como a própria Rosa defende: "O pequeno príncipe não é só um livro de criança, é uma das obras mais filosóficas que eu li. Quem parar para analisar vai ver isso. Cada parágrafo tem algo para te fazer refletir sobre questões importantes da vida", argumenta.

Professora aposentada da Secretaria de Educação do DF, hoje Rosa dedica os seus dias totalmente à coleção. Viagens e visitas a museus, tudo em busca de mais artigos. "É a minha motivação. Eu venho pra cá, faço uma oração e todos os dias eu admiro, olho peça por peça me perguntando se é verdade. Se eu consegui tudo isso mesmo", conta.

  • 31/03/2022 Crédito: Minervino Júnior/CB/D.A Press. Brasil. Brasilia - DF. Rosa de Lourdes Barros Garcia que possui uma coleção sobre o Pequeno Príncipe em seu apartamento na Asa Norte. Minervino Júnior/CB/D.A.Press
  • 31/03/2022 Crédito: Minervino Júnior/CB/D.A Press. Brasil. Brasilia - DF. Rosa de Lourdes Barros Garcia que possui uma coleção sobre o Pequeno Príncipe em seu apartamento na Asa Norte. Minervino Júnior/CB/D.A.Press
  • 31/03/2022 Crédito: Minervino Júnior/CB/D.A Press. Brasil. Brasilia - DF. Rosa de Lourdes Barros Garcia que possui uma coleção sobre o Pequeno Príncipe em seu apartamento na Asa Norte. Fotos: Minervino Júnior/CB/D.A.Press

"Que a minha loucura seja perdoada porque metade de mim amou e a outra metade também." É assim que ela justifica a maior extravagância que quase cometeu por um item. Ao encontrar uma edição do livro de dois metros de altura, ela cogitou vender o carro para pagar o valor da peça: R$ 52 mil. "A sorte foi que minhas amigas colocaram juízo na minha cabeça. O livro não passava nem pela porta de casa", brinca.

A recompensa? Para ela, é a realização pessoal e o carinho que recebe de quem visita seu pequeno museu. Nas paredes, desenhos de crianças e mensagens de carinho. E ela garante: "Quem vier eu recebo". Hoje, a professora esbanja alegria, mas não nega que passou por momentos difíceis quando revelou sua paixão para a família. "Eles não aceitavam, diziam ser mediocridade uma pessoa crescer com freiras alemãs e gostar de coisa de criança. Causaram-me muita tristeza", lamenta.

Sempre com um sorriso no rosto, dona Rosa vive o que prega: toda pessoa grande foi criança um dia. E quem a conhece não nega. O brilho não nega que o amor pelo Pequeno Príncipe é genuíno e puro, como o de uma criança. Com amigas, ela brinca e troca pequenas alfinetadas e revela: "Se eu parar de brincar, estou morta", diz entre gargalhadas.

Ela não consegue esconder o orgulho por tudo que conquistou, e é de perder as contas quantas vezes ela fala "não é lindo? é lindo demais!", porque realmente é lindo ver que, mesmo com a idade, ela não se perdeu da criança de 11 anos que um dia se apaixonou pelo Pequeno Príncipe.

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE