Pesquisa

Terceira dose aumenta proteção contra a covid-19 em idosos, mostra estudo

Número de casos graves em população que recebeu três doses foi até 10 vezes menor que nos idosos que receberam só duas

Correio Braziliense
postado em 16/09/2021 18:42
 (crédito: Minervino Júnior/CB/D.A Press)
(crédito: Minervino Júnior/CB/D.A Press)

O Ministério da Saúde de Israel divulgou, nesta quarta-feira (15/9), os resultados do primeiro estudo com pessoas revacinadas com uma terceira dose de reforço contra a covid-19. A pesquisa foi publicada no The New England Journal of Medicine. A conclusão é de que aqueles que receberam três doses tiveram índices de infecções graves de até 10 vezes menos em comparação com aqueles que só receberam duas doses.

Israel começou a aplicar a terceira dose na população em julho, com o imunizante da Pfizer. Cerca de três milhões de pessoas já foram vacinadas.

Os autores do estudo também alertam que são necessários novos estudos para mostrar qual o tempo que essa imunidade dura.

Os dados são referentes a 1.137.804 pessoas com mais de 60 anos, que haviam concluído o esquema de vacinação com duas doses há pelo menos cinco meses.

Por enquanto, a Organização Mundial da Saúde (OMS) não recomenda a aplicação de uma terceira dose.

No Brasil, o Ministério da Saúde já anunciou que irá adotar o esquema da terceira dose. A proposta é que idosos com mais de 70 anos, que tenham completado o esquema vacinal há mais de seis meses, e pessoas imunossuprimidas, que completaram a vacinação há mais de 28 dias, recebam a nova dose. Alguns estados, inclusive, já começaram essa aplicação.

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE