ESPAÇO

Satélite da Agência Espacial lançado em 1995 cairá na Terra esta semana

Objeto, segundo o centro espacial europeu, irá explodir no espaço. Previsão de queda é entre esta terça (20/2) e quarta-feira (21/2)

Embora se concretize nesta semana, a decisão de retirar o ERS-2 de óbita foi tomada em 2011, pois os técnicos da ESA queriam evitar lixo espacial -  (crédito: Reprodução/ESA)
Embora se concretize nesta semana, a decisão de retirar o ERS-2 de óbita foi tomada em 2011, pois os técnicos da ESA queriam evitar lixo espacial - (crédito: Reprodução/ESA)
postado em 20/02/2024 09:41

Um satélite da Agência Espacial Europeia (ESA, em inglês) irá cair na Terra até esta quarta-feira (21/2), informou o centro aeroespacial. O objeto foi lançado em 1995 e é denominado pela ESA de European Remote Sensing 2 (ERS-2). O equipamento está desativado desde 2011, após cumprir suas missões de observação da Terra.

De acordo com a ESA, o satélite — que está a cerca de 80 quilômetros acima da superfície da Terra — será destruído e queimado quando entrar em contato com a atmosfera. A Agência Espacial Europeia, porém, diz ser impossível prever exatamente onde os detritos do ERS-2 cairão, mas que provavelmente será no oceano.

As atualizações sobre a queda do equipamento podem ser acompanhadas pelo site da ESA. A queda do objeto dependerá da influência da atividade solar, que afeta a densidade da atmosfera da Terra. Por isso, reforça a ESA, é impossível afirmar o momento exato da queda do satélite. 

Cerca de 80 quilômetros acima da superfície da Terra, espera-se que o satélite se quebre e a maioria dos fragmentos queime na atmosfera. A agência disse que alguns fragmentos podem chegar à superfície do planeta, mas não conterão substâncias nocivas e provavelmente cairão no oceano.

As chances de uma pessoa ser ferida por detritos espaciais a cada ano são inferiores a 1 em 100 bilhões, cerca de 1,5 milhão de vezes menor do que o risco de morrer em um acidente doméstico, segundo a agência.

ERS-2

O ERS-2 foi o satélite mais sofisticado do gênero na época a ser desenvolvido e lançado pela Europa. No espaço, ele  recolheu dados valiosos sobre as calotas polares, oceanos e superfícies terrestres do planeta e observou desastres como inundações e terremotos em áreas remotas. Os dados coletados pelo ERS-2 ainda são utilizados hoje, segundo a agência.

Embora se concretize nesta semana, a decisão de retirar o ERS-2 de órbita foi tomada em 2011, pois os técnicos da ESA queriam evitar lixo espacial. O satélite executou 66 manobras de desorbitação em julho e agosto de 2011, antes da missão ser oficialmente concluída no fim daquele ano, em 11 de setembro.

Esses movimento consumiram o restante do combustível do satélite e diminuíram sua altitude, colocando a órbita do ERS-2 em uma trajetória para retornar para a Terra dentro de 15 anos. 

Gostou da matéria? Escolha como acompanhar as principais notícias do Correio:
Ícone do whatsapp
Ícone do telegram

Dê a sua opinião! O Correio tem um espaço na edição impressa para publicar a opinião dos leitores pelo e-mail sredat.df@dabr.com.br

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação