AQUECIMENTO GLOBAL

Terra registra 13º mês seguido com recorde de mais quente da história

O observatório europeu Copernicus divulgou o relatório em que afirma que junho completou a sequência de 13 meses de temperaturas elevadas, sendo que a temperatura média global de julho de 2023 a junho de 2024 é a maior registrada

Peregrinos em Meca, na Arábia Saudita, cuja temperatura ultrapassou 50 graus Cº -  (crédito: Abdel Ghani BASHIR / AFP)
Peregrinos em Meca, na Arábia Saudita, cuja temperatura ultrapassou 50 graus Cº - (crédito: Abdel Ghani BASHIR / AFP)

O ano de 2024 registrou o mês de junho como o mais quente da história, superando o recorde anterior, de 2023. O anúncio foi feito pelo observatório europeu Copernicus. Segundo o relatório, junho completou a sequência de 13 meses de calor histórico. A instituição destacou ainda que, em consequência, a temperatura média global de julho de 2023 a junho de 2024, é a maior já vista, desde que começaram as medições.

"Isso é mais do que uma raridade estatística e evidencia uma mudança importante e contínua em nosso clima", afirmou o diretor do observatório, Carlo Buontempo, após um mês marcado por fortes ondas de calor no México, China, Grécia e Arábia Saudita, onde mais de 1.300 pessoas morreram durante a tradicional peregrinação a Meca.

As chuvas ininterruptas, um fenômeno que os cientistas também relacionaram com o aquecimento do planeta, provocaram grandes inundações no Brasil, China, Quênia, Afeganistão, Rússia e França. Agora, no início de julho, o furacão Beryl devastou várias ilhas do Caribe e se tornou o primeiro de categoria cinco no Atlântico mais precoce já registrado.

"Ainda que essa série particular de extremos acabe em algum momento, nós estamos preparados para observar novos recordes sendo batidos à medida que o clima continua esquentando", reforçou Buontempo.

Os recordes de temperatura consecutivos coincidiram com o 'El Niño', um fenômeno natural que aquece as águas do Oceano Pacífico e que contribui com o aumento da temperatura mundial. "Foi um dos fatores que explicam o recorde de temperatura, mas não o único", declarou Julian Nicolas, cientista do Copernicus.

Oceanos fervem

O aquecimento dos oceanos também atingiu novos patamares, com quebras de recordes no Atlântico, Pacífico Norte e Índico. Em junho, as temperaturas da superfície do mar atingiram outro marco, foram 15 meses consecutivos de novos máximos.

Os oceanos cobrem 70% da superfície da Terra e absorvem 90% do calor adicional associado ao aumento das emissões de gases do efeito estufa. "O que acontece na superfície dos oceanos tem um grande impacto na temperatura do ar acima da superfície e também na temperatura média global", frisou Nicolas. 

 

Gostou da matéria? Escolha como acompanhar as principais notícias do Correio:
Ícone do whatsapp
Ícone do telegram

Dê a sua opinião! O Correio tem um espaço na edição impressa para publicar a opinião dos leitores pelo e-mail sredat.df@dabr.com.br

postado em 09/07/2024 06:00
Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação