20 ANOS DEPOIS

11 de setembro: qual a influência do atentado no cenário cultural?

Após 20 anos do atentado às Torres Gêmeas, nos Estados Unidos, algumas influências podem ser vistas. Relembre o que estava em alta no cenário cultural naquele ano

Victória Olímpio
postado em 11/09/2021 06:00 / atualizado em 11/09/2021 09:56
 (crédito: Maurenilson)
(crédito: Maurenilson)

O ano de 2001 se tornou marcante em todo o mundo após os atentados de 11 de setembro, alterando não somente o cenário social e político, como também cultural. No cinema, as representações foram diretas, como em filmes sobre a queda das Torres Gêmeas produzidos nos anos seguintes. Depois de 20 anos, as influências nas cenas culturais ainda podem ser vistas.

Aquele ano tinha por si só algumas funções históricas. Quando falamos sobre medida do tempo, ele representava o início de um novo milênio e século, criando uma grande expectativa em todos pelo mundo, seja pela percepção de um tempo contábil diferente, ou por todos os livros e filmes de ficção científica que nos acompanhava até aquele momento, com promessas de um mundo novo.

Frederico Benjamim Mecenas, historiador cultural e professor de história, analisa as influências que os atentados tiveram: “Tudo que se relacionava à produção humana também sofreu influência, nos mais diversos âmbitos, políticos, sociais, econômicos e culturais. A produção cultural começou a buscar outras fontes de inspiração. No Brasil e nos EUA, os movimentos de rua passaram a aumentar sua participação no cenário artístico: hip-hop, grunge, punk-rock questionavam se a verdade que chegava a nossos olhos eram retratos da realidade ou apenas um enfoque”.

“Brasil, China e Índia cada vez mais retomaram sua visão sobre os acontecidos e reconstruíram sua linguagem para contar histórias coerentes às suas tradições com sua visão sobre qualquer assunto. Os países do continente africano começaram o processo de descolonização cultural e começaram a questionar as histórias contadas por estrangeiros. Não é à toa que, a partir da segunda metade da primeira década dos anos 2000, a indústria cultural, dos grandes centros, passam a consumir em larga escala tudo aquilo que eles nem imaginavam que existia, de Psy a Anitta”, analisou ainda o historiador.

Estreias nacionais

A novela O clone, da TV Globo, estreou cerca de um mês após os ataques de 11 de setembro, o que poderia prejudicar na boa aceitação entre os telespectadores, já que um dos núcleos principais era de personagens muçulmanos. No entanto, a novela se tornou um sucesso entre o público. A produção teve repercussão tão boa que fez com que as demandas de viagens para o Marrocos crescessem, fazendo com que agências de turismo lançassem pacotes especiais para o local onde se passava a história.

A trama de Glória Perez, dirigida por Wolf Maya, conta a história da mocinha rebelde Jade (Giovanna Antonelli), que embora prometida a Said (Dalton Vigh), acaba se apaixonando pelo brasileiro Lucas (Murilo Benício), que está de férias no Marrocos. A religião e uma série de desencontros acabam tornando o amor entre os dois proibido. O elenco da novela ainda teve como destaques Marcos Frota no papel do cego Jatobá, Eliane Giardini vivendo a muçulmana Nazira e Débora Falabella na pele da viciada Mel. Além de Carla Diaz como Khadija.

No mesmo ano, também foi lançado o reality show brasileiro Casa dos artistas, exibido pelo SBT. O programa era composto por um grupo de celebridades disputando por um prêmio principal. A estreia rendeu uma das maiores audiências da emissora e teve a atriz Bárbara Paz como vencedora. Após estreia, a Rede Globo entrou na Justiça contra o SBT alegando que o programa era um plágio do Big Brother Brasil, que pelo contrato, só estrearia no ano seguinte.

O programa foi suspenso por alguns dias, mas voltou ao ar após determinação da Justiça. Apenas em 2015 foi determinado Casa dos artistas como plágio, condenando o SBT a pagamento de multa de cerca de R$ 18 milhões. Apesar da demora para determinação, o programa saiu do ar em 2004.

O que estava bombando naquele ano

Top 10 músicas da semana antes do atentado

  • I'm real, Jennifer Lopez Featuring Ja Rule
  • Fallin', Alicia Keys
  • Someone to call my lover, Janet
  • Hit 'Em up style (Oops!), Blu Cantrell
  • Let me blow ya mind, Eve featuring Gwen Stefani
  • Where the party at, Jagged Edge with Nelly
  • U remind me, Usher
  • It's been awhile, Staind
  • Drops of Jupiter (tell me), Train
  • Hanging by a moment, Lifehouse

Vencedores do Oscar 2001

Melhor filme: Uma mente brilhante
Melhor diretor: Ron Howard com Uma mente brilhante
Melhor ator: Denzel Washington em Dia de treinamento, como Alonzo Harris
Melhor atriz: Halle Berry em A última ceia, como Leticia Musgrove
Melhor ator coadjuvante: Jim Broadbent em Iris, como John Bayley
Melhor atriz coadjuvante: Jennifer Connelly em Uma mente brilhante, como Alicia de Lardé-Nashdouble-dagger
Melhor roteiro original: Assassinato em Gosford Park
Melhor roteiro adaptado: Uma mente brilhante baseado em The book
Melhor filme de animação: Shrek
Melhor filme em língua estrangeira: No Man's Land (Bosnia and Herzegovina) in Bosnian
Melhor roteiro original: Assassinato em Gosford Park
Melhor roteiro adaptado: Uma mente brilhante
Melhor figurino: Moulin Rouge - amor em vermelho
Melhor maquiagem: O senhor dos anéis: a sociedade do anel
Melhor montagem: Falcão Negro em perigo
Melhores efeitos visuais: O senhor dos anéis: a sociedade do anel
Melhor fotografia: O senhor dos anéis: a sociedade do anel
Melhor som: Falcão Negro em perigo
Melhor trilha sonora: O senhor dos anéis: a sociedade do anel
Melhor canção original: Monstros S.A.
Melhor direção de arte: Moulin Rouge - amor em vermelho
Melhores efeitos sonoros: Pearl Harbor

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE