MÚSICA

Trajetória do programa Cult 22 se mistura à história do rock brasiliense

Confira a entrevista com o apresentador Marcos Pinheiro sobre os 30 anos do Cult 22, uma das principais referências do rock na capital federal

José Carlos Vieira
postado em 30/09/2021 06:00
Radialista Marcos Pinheiro lembra trajetória do estilo musical no DF -  (crédito: Arquivo Pessoal)
Radialista Marcos Pinheiro lembra trajetória do estilo musical no DF - (crédito: Arquivo Pessoal)

Muito antes de a Legião Urbana invadir corações e mentes país afora, o rock de Brasília fervia. Bandas como o Tellah, de rock progressivo, andavam sobre os palcos do Planalto Central. Foi a partir desse DNA que a cidade da política também se transformou na capital do rock. Há 30 anos, surgia o Cult 22, programa de rádio que deu visibilidade para as vertentes do gênero. Nesta entrevista, o apresentador Marcos Pinheiro conta a trajetória roqueira brasiliense e como o gênero ser reinventou.

ENTREVISTA / Marcos Pinheiro

Trinta anos de Cult 22, o que mudou musicalmente nesse período?

Muita coisa. O rock foi se multifacetando com o tempo. Do progressivo, punk e pós-punk que predominavam por aqui nos anos 1970 e 1980, a cena brasiliense ganhou novas sonoridades já na década seguinte com o crescimento de estilos mais pesados (hardcore e heavy metal em variadas vertentes), do indie rock e das misturas com música brasileira, rap ou black music em geral e eletrônica. Podemos dizer que essa diversidade continua presente na atual geração: ouve-se de tudo um pouco nas novas bandas ou nas antigas que se mantiveram na ativa.

A cidade perdeu o protagonismo nacional? Bandas como Scalene e Joe Silhueta mantêm a diversidade roqueira da capital?

O rock perdeu há algum tempo o protagonismo entre os jovens. E, para piorar, Brasília sofre regularmente com a carência de palcos para o som autoral, já que grande parte dos bares, pubs e espaços prefere apostar no que pode dar retorno financeiro e de público — ou seja, em bandas/artistas cover ou tributos. Mas isso não significa, de forma alguma, que não tenhamos mais bons nomes de rock na cidade. Pelo contrário: a cena continua rica e diversa, porém se ressente de maior visibilidade. E, logicamente, a baixa do rock na mídia nacional afeta demais. O Scalene se tornou o principal representante dessa nova geração e conseguiu se apresentar em grandes festivais como Rock in Rio e Lollapalooza, por exemplo. Conquistou muitos fãs pelo país, mesmo não tendo músicas tocando frequentemente nas rádios. O Joe Silhueta é uma das maiores revelações locais dos últimos anos em seu resgate do psicodelismo mesclado a elementos tropicalistas e merece ganhar mais espaço nacional.

Gêneros como o sertanejo, o funk e até a pisadinha conquistaram o público jovem, como o rock se insere nessa disputa de fãs?

O rock tem perdido de goleada, infelizmente. Claro que esses movimentos são cíclicos e não concordo com a história de que o gênero “morreu”. Continua aí há quase 70 anos e, volta e meia, dá um contragolpe nos críticos e céticos. Mas é fato também que faltam representantes internacionais de maior relevância para tentar reverter esse quadro. Na última década, em minha opinião, não surgiu nada que tenha despertado atenção maior da mídia e a paixão do público. Tem ótimas bandas, mas estão praticamente todas no underground.

O Cult 22 tem uma programação especial para este fim de semana. Como tudo começou?

Sim. Vamos comemorar os 30 anos do programa ao longo do mês de outubro com uma série de cinco programas especiais reunindo atuais e antigos colaboradores, que vai ao ar todas as sextas-feiras, das 21h às 23h, pela Rádio Cultura FM (100,9MHz) e pela Radioweb Cult 22 (cult22.com), canal online que oficializamos no início de 2019. E também vamos promover cinco festas virtuais todos os sábados, das 20h às 2h, com um total de 30 DJs, transmitidas exclusivamente pela radioweb. Devido às limitações ainda impostas pela pandemia, foi o que pudemos fazer até termos mais segurança para voltar com mais força aos eventos presenciais. O Cult 22 estreou em 4 de outubro de 1991, com o objetivo de tocar o rock de todos os tempos e estilos. Afinal, se Brasília tinha a alcunha de capital do rock, precisava ter no mínimo um programa abrangente no gênero. Foi um projeto que começou comigo e com o jornalista Carlos Marcelo e que fizemos juntos até 1996. Devido aos compromissos profissionais, ele precisou se afastar, mas decidi continuar.

Você também é produtor, lançou coletâneas com bandas brasilienses, quais você destacaria?

Acho que a coletânea mais emblemática lançada pelo Cult 22 foi a Cult Cover Demo. Foi uma fita K7 lançada em outubro de 1993, por ocasião dos então dois anos do programa, que reuniu 12 bandas de Brasília fazendo versões de livre escolha. Teve de Mata Hari cantando The Velvet Underground a Raimundos, tocando Leandro & Leonardo. De Pravda reinterpretando Fábio Jr. a The Succulent Fly mandando Joy Division. De Low Dream acelerando uma balada de Tracy Chapman a DFC pervertendo The Cure — entre outros. Foi um marco para a cena do rock de Brasília da época. E ainda teve o CD Unculted, compilação acústica que saiu no fim de 1995, com quatro nomes locais, com direito a faixas extras de Pato Fu e Viper. Essas gravações e de outros lançamentos do programa estão disponíveis para audição e download em nosso site/blog: cult22.com.

Quais bandas novas você destacaria?

Além do Joe Silhueta, já comentado, e do próprio Scalene, gosto de Maria Sabina & a Pêia, Laika, Lupa, Rios Voadores, Almirante Shiva, Passo Largo, Mitsein, RoliMan (projeto novo do veterano Carlos Pinduca), Azzarok, Centropia, Ops, Adriah, Os Gatunos, Consuelo, Signo 13... Isso só para citar os que se revelaram de 2010 pra cá e estão na ativa. Outros nomes bacanas encerraram atividades nesse período de pandemia — ou resolveram “dar um tempo” —, tais como Dona Cislene, O Tarot e Alarmes. Todos são bons exemplos do quanto ainda é rica a nossa cena musical.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE