Famosos

'Desci ao inferno', relembra Dinho Ouro Preto sobre vício em drogas

Vocalista do Capital Inicial abre o coração e revela detalhes sobre o uso de drogas

Gabriel Elias - Especial para o Uai
postado em 19/10/2021 14:59
Dinho Ouro Preto -  (crédito:  Reprodução/Instagram)
Dinho Ouro Preto - (crédito: Reprodução/Instagram)

Durante uma entrevista ao podcast Podpah , Dinho Ouro Preto , vocalista do Capital inicial , falou sobre um período difícil em sua vida, o vício nas drogas (cocaína e álcool). O cantor revelou sobre suas inseguranças nos anos 90, assim "descontando" no uso das drogas.

Dinho afirmou que precisou usar drogas para lidar com a fama e também com o próprio julgamento sobre os seus méritos diante de tudo que o grupo conquistou rapidamente. "Foi muito excesso, muita droga e muita acabação. Eu achava que fazia para afogar a sensação de não estar à altura do desafio (...) Talvez a frustração de eu saber das minhas próprias limitações, tenha me levado a tentar afogar as minhas mágoas. Uma anestesia quase. As drogas estavam ligadas a minha percepção de mim mesmo, na noção das minhas próprias limitações e limites", revelou o músico.

 O cantor abriu o coração para falar sobre alguns detalhes da sua vida, que precisou deixar o Capital Inicial para tentar fugir das drogas. Segundo Dinho, a decisão pegou os fãs de surpresa, pois ninguém sabia o que realmente estava acontecendo. O vocalista do grupo também relembrou que pessoas drogadas, e muitas vezes desconhecidas, dormiam na sala do seu apartamento.

"Eu saio do Capital em 93. O Capital acaba virando uma descida para o inferno em excesso. Muita coisa acontecendo ao mesmo tempo, Um período como uma coisa fora de forma. Uns três quatro anos. É incrível eu ter sobrevivido. Era álcool e cocaína. Quando entra nessa bola de neve, de acabação, chega uma hora que eu falo 'tenho que sair do Capital, parar com isso aqui'. Ninguém sabia, nem meus pais", revelou.

 Após a saída do grupo, Dinho voltou ao comando do Capital Inicial em 1998. O cantor creditou à esposa, Mariana Cattaneo, a virada de chave na luta contra as drogas. "Foram anos de aprendizado para entender que eu era o senhor do meu destino. Que eu sabia compor, cantar, dar show. Era como se eu precisasse espiar meus demônios em público (...) Um pouco depois disso eu conheci a minha mulher, que é a minha mulher até hoje. Ela foi a minha salvação. E a partir dali, começo a reconstruir a minha vida do que ela é hoje", finalizou Dinho.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE