Ataques

Correspondente da Globo é hostilizado durante maratona de Nova York

Um homem supostamente identificado como Carlos Curi ameaçou o jornalista Tiago Eltz e disse: ''Vou levar seu braço pra minha casa''

Douglas Lima - Especial para o Uai
postado em 08/11/2021 11:21
 (crédito: Reprodução/ Globo)
(crédito: Reprodução/ Globo)

Uma semana depois de o repórter Leonardo Monteiro ser agredido por seguranças do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), o correspondente da TV Globo , Tiago Eltz foi hostilizado e ameaçado neste domingo (7/11) durante a cobertura da maratona de Nova York , nos Estados Unidos.

O jornalista filmou e compartilhou nas redes sociais o vídeo em que um homem supostamente identificado como Carlos Curi , chama o profissional de "bundão", " vagabundo" e "otário". O homem ainda ameaçou arrancar o braço do correspondente e disparou: "vou levar seu braço pra minha casa, seu bosta".

"Domingo, 14h da tarde, na maratona de Nova York. Estava segurando o microfone da Globo, quando esse casal começou a me xingar e a gravar, aparentemente se divertindo. Eles passaram e, quando o homem começou a voltar, eu comecei também a gravar. O resto tá no vídeo", explicou Tiago .

"Tô postando porque ele fala o nome dele, Carlos Curi (Cury?), e talvez alguém que saiba onde ele trabalha, ou conheça a família, pode encaminhar o vídeo e talvez ele possa receber ajuda. Ajuda, porque é isso que acho que precisa alguém que anda na rua ameaçando arrancar o braço de alguém que ele não conhece", escreveu o jornalista na legenda da publicação.

Na aba de comentários, outros jornalistas comentaram o post e se mostraram indignados com as imagens e se solidarizaram com o colega de profissão.

"Que papelão. Vou poupar as palavras que me ocorreram. Ele deve precisar de ajuda, mesmo. Abraço, Eltz. Tamo junto", escreveu Fábio Turci . "Minha solidariedade a você, Ti! ", reagiu Michelle Barros . "Fez muito bem em filmar e em não comprar provocação. Pessoas agressivas não merecem resposta", afirmou Márcio Gomes . "Eu tenho pena dessas pessoas. Um beijo", disse Renata Capucci . "Minha solidariedade. Continuaremos atentos e vigilantes. Não passarão!", disparou Marcelo Cosme . "Ah, mas que coisa mais ridícula...", declarou Cecilia Flesch . "Passou vergonha o machão. Minha solidariedade, mano!", comentou Phelipe Siani.

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE