De graça

Festival disponibiliza, gratuitamente, obras do cinema francês

Documentários, animações, curtas e longas-metragens estão disponíveis até 14 de fevereiro na plataforma À La Carte

Ricardo Daehn
postado em 14/01/2022 06:00
As Índias Galantes: presença no programa do À la carte -  (crédito: À La Carte/Divulgação)
As Índias Galantes: presença no programa do À la carte - (crédito: À La Carte/Divulgação)

Mais de 20 filmes, entre curtas e longas-metragens, foram agrupados no meio virtual (https://www.belasartesalacarte.com.br/browse), para exibição de graça, por iniciativa da agência Unifrance, na 12ª edição do MyFrenchFilmFestival. Até 14 de fevereiro, independentemente de assinatura, a rede À La Carte divulgará a cinematografia mais antiga do mundo: a francesa.

Entre os documentários selecionados para o MyFrenchFilmFestival desponta As Índias galantes, que revela a como a Ópera de Paris acolheu a dança urbana, o break e o hip-hop, a partir de obra do compositor e coreógrafo Jean-Philippe Rameau, que, no século 17, atentou para a expansão colonial e o famoso mito do bom selvagem. Outro documentário, Um país que sabe se comportar, estará acessível, com a visão do jornalista David Dufresne para a violência estatal direcionada, quando dos conflitos de interesse entre o governo francês e os próprios cidadãos.

No segmento batizado Kids Corner, quatro curtas-metragens de animação foram agrupados na plataforma do À La Carte. Entre os filmes consagrados está Embarque, vencedor de prêmio da Federação Internacional dos Críticos de Cinema, na seção Panoarma do Festival de Berlim. Com direção de Rémi Chayé, a animação Calamidade, que venceu o Festival de Annecy, e disputou o mais recente César, também poderá ser conferido.

O cenário rural impulsiona o enredo de dois filmes a serem mostrados: O meio do horizonte, fita suíça de Delphine Lehericey com Laetitia Casta, aposta no drama de ruptura familiar, durante uma seca de 1976, e — num tom muito mais ameno — Teddy (dirigido pelos gêmeos Ludovic e Zoran Boukherma) mistura impulsos animais e fantasias, ao revelar o destino de um jovem que, numa lua cheia, é machucado por um animal bem esquisito.

Primeiro filme de Chloé Mazlo, O céu de Alice também está incluído na programação. Alba Rohrwacher (de A filha perdida) figura no elenco do longa que revela planos iniciais de colocar o primeiro libanês no espaço, nos anos de 1950. O filme belga Uma vida doida revela o cotidiano agridoce de um casal que sofre com as interferências da sogra portadora de doença degenerativa.

Entre um volume de 16 curtas-metragens, Omnibus, comédia sobre a alteração dos horários das ferrovias francesas, e que venceu a Palma de Ouro e o Oscar chama a atenção. A animação Astralium abre frente feminista, sob a perspectiva de um mundo perfeito idealizado por uma menina. Diretoras como Zoé Pelchat e e Naïla Guiguet comparecem, respectivamente, com Lua, filme sobre a cozinheira Babz, ex-detenta que busca redenção, e com Dustin, que revela rispidez e descontrole, noite adentro, durante uma festa techno. Exibida no Festival de Cannes 2021, a comédia Cabeça erguida também desperta a atenção.

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE