Games

Segundo dia do Six Invitational 2024 define final entre dois times brasileiros

A Virtuos.pro entrou na segunda chave depois da derrota pela FaZe na sexta-feira (23) e disputa a vaga da final com o vencedor do confronto entre a alemã, G2 Esports e a brasileira, w7m esportes

A Virtuos.pro entrou na segunda chave depois da derrota pela FaZe ontem (23) e disputa a vaga da final com o vencedor do confronto entre a alemã, G2 Esports e a brasileira, w7m esports.  -  (crédito: Khalil Santos/CB)
A Virtuos.pro entrou na segunda chave depois da derrota pela FaZe ontem (23) e disputa a vaga da final com o vencedor do confronto entre a alemã, G2 Esports e a brasileira, w7m esports. - (crédito: Khalil Santos/CB)
postado em 25/02/2024 17:22

No Segundo dia das finais do Six Invitational, o Ginásio do Ibirapuera amanheceu com fila, os fãs estavam ansiosos para a definição oponente da final contra a FaZe para o último jogo do torneio no domingo (25). A Virtuos.pro entrou na segunda chave depois da derrota pela FaZe na sexta-feira (23) e disputa a vaga da final com o vencedor do confronto entre a alemã, G2 Esports e a brasileira, w7m esports. A G2 poderia enfrentar a FaZe novamente,  como no último evento no Rio de Janeiro, no qual a alemã venceu, ou a Virtuos.pro voltaria para mais uma tentativa de vencer a FaZe no Invitational, ou ainda teríamos um confronto de times brasileiros na final, com a campeã mais recente, a w7m jogando contra a FaZe.

Brasil pelo Brasil

O casal Leonardo Fischer e Ana Beatriz Gomes, ambos de São Paulo, vieram ver o penúltimo dia meio tristes, porque a Team Liquid, time tupiniquim para o qual os dois torcem, acabou sendo eliminado da competição, mas eles vieram até ao Ibirapuera apoiar os times brasileiros restantes no torneio.

“Rainbow Six, né, então não dá para perder o evento desse tamanho, tem que prestigiar”, diz Leonardo, empolgado por estar tão perto do Six. “Viemos por ser um evento que é muito difícil de acontecer tão breve novamente aqui no Brasil, e acho que é muito importante a gente participar”, completou Ana Beatriz.

Sobre as possibilidades de final, o casal se viu empolgado com uma possível disputa brasileiros contra brasileiros.

“Seria muito emocionante ter FaZe jogando contra a G2, claro, mas como o campeonato está sendo na nossa casa, eu prefiro que seja W7 fez e Clan. Pelo menos vai ser um jogo emocionante. O título vai ficar em casa do mesmo jeito”, avalia Leonardo sobre a final. “Eu não quero dar esse título para os gringos porque eu acho que a gente merece. Estamos fazendo toda uma boa recepção para eles, então, acho que é o justo a gente levar a marreta”, encerrou Ana Beatriz.

Vitor Oliveira, da Zona Leste de São Paulo, diz que começou a acompanhar a cena desde o primeiro Invitational em 2017 e se mostra ansioso com as possibilidades de final. “G2 todo mundo sabe que é um time muito forte. Está com dois títulos na conta, mas estou torcendo para w7m. Quero que eles ganhem para ficar uma finalzinha da hora”, falou Vitor, mas numa disputa da w7m contra a FaZe, o fã apostou na vitória da Clan.

Lucas Cotrie, de São Paulo, ficou muito feliz com a possibilidade de uma final entre dois times brasileiros “É bem interessante ter dois times brasileiros na final. A w7m esports vem forte, e eu acho que vai ser bem interessante ver algum time brasileiro ganhar”.

Como foi trazer o evento para São Paulo?

Maxime Vial, diretor de e-sports global da Ubisoft, falou um pouco sobre como é organizar um evento como o Six Invitational do zero, e os principais pilares para que ele aconteça da melhor forma possível.

“Quatro coisas: a competição é pura logística, então precisamos organizar a competição, voos do mundo todo, tem muita logística envolvida, reservar hotéis para todo mundo, comida, todo esse tipo de coisa. Temos que transmitir tudo, e em línguas diferentes, essa é maior parte disso. Então, tem a parte do que vem para comunidade, como destacar grandes momentos, pessoas que tiveram grande impacto na cena e no jogo ao longo dos anos, e ainda tem as revelações. O Invitational é onde mostramos o novo conteúdo que está vindo, o próximo ano, a próxima temporada, etc. Esses são os pilares que compõem um evento desse, e todos os anos queremos melhorar isso, para podermos ficar cada vez maiores”, explica.

Em 2024, a maior mudança no Six Invitational foi ele se mudar de Montreal para o Brasil, onde o jogo consta com uma comunidade forte de Rainbow Six: Siege, e a intenção da Ubisoft é tornar o evento itinerante. Maxime falou sobre o processo de decisão de fazer o Six em São Paulo.

“A decisão foi tomada há muito. A gente esteve pensando sobre, o Six vai ter que viajar algum dia, nós ficamos super felizes de hospedar todo ano o evento na nossa cidade natal, onde os desenvolvedores estão, em Montreal, nós tínhamos ciência que os fãs do mundo todo não poderiam ir a Montreal todos os anos. Sabíamos que tínhamos de ser nós a nos encontrarmos com a comunidade, então decidimos isso."

Por fim, o diretor se declarou um fã do time brasileiro FaZe Clan e assumiu que gostaria muito de vê-los vencer o Six Invitational 2024. "Tenho um espacinho especial (no meu coração) para a FaZe, porque os sigo há bastante tempo."

Reta final

No encerramento do dia dois das finais, a G2 Esports acabou ficando em quarto lugar, quando acabou perdendo ambos os rounds para w7m, deixando seu principal jogador, o brasileiro Karl “Alemão” Zarth, bem triste por não disputar a final. O time leva o prêmio de 170 mil dólares (quase um 1 milhão de reais) para casa.

O jogo da w7m e da G2 começou com vantagem para o time brasileiro, levando muito bem o primeiro round, e depois teve um susto no segundo. Mesmo perto do ponto final para se classificar, a G2 revidou, mas o esforço não foi suficiente para vencer a dinâmica da w7m Esports, que passou para o último jogo da segunda chave contra a Virtuos.pro, brigando pela vaga na final contra a FaZe.

O segundo jogo do dia entre a w7m e a VP foi iniciado com os fervorosos gritos da torcida pelo time brasileiro, que deve ter amedrontado o coração do elenco russo, mas que mostrou no jogo que vinha com tudo no primeiro round. Mesmo assim, a w7m conseguiu se adaptar ao jeito que ao estilo de jogo time russo e levou o primeiro ponto do jogo.

Mas, durante a segunda a rodada, o time russo retomou a calma e se concentrou em ganhar, não só empatando, mas virando o placar e levando o ponto do round em cima da w7m.

A w7m começou o round abalada pela derrota, mas gradualmente foi retomando o controle da situação, e teve um fim de partida extremamente acirrado contra o VP. Aos gritos de “Eu acredito” da torcida, o time brasileiro venceu o time russo no fim.

Sendo assim, o VP fica em terceiro lugar, recebendo a premiação de 240 mil dólares (equivalente a 1 milhão e duzentos mil reais) e abre o pódio entre os três primeiros colocados do Six Invitational.

Dois times brasileiros se enfrentam numa final no Brasil, com a vitória da w7m, ela será oficialmente o adversário da FaZe no domingo, ambos os times fizeram campanhas boas no torneio, mas a w7m tem uma reputação a zelar, já que foi a campeã mais recente de R6. Apesar de os times disputarem a marreta amanhã, o prêmio com certeza ficará com o país. Quem levará o Six Invitational e o prêmio de 5 milhões de reais?

Os ingressos para as finais estão esgotados, mas o evento também tem transmissão simultânea para quem quiser acompanhar de casa e sintonizar com os quase 60 mil espectadores, basta acessar o canal oficial de Rainbow Six: Siege na Twitch neste link.

Gostou da matéria? Escolha como acompanhar as principais notícias do Correio:
Ícone do whatsapp
Ícone do telegram

Dê a sua opinião! O Correio tem um espaço na edição impressa para publicar a opinião dos leitores pelo e-mail sredat.df@dabr.com.br

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação