BANCOS

Número de desbancarizados no Brasil caiu 73% durante a pandemia

Pesquisa mostra que a demanda por serviços e compras on-line e auxílio emergencial ajudaram na inclusão de quem não possuía conta em banco

Jailson R. Sena*
postado em 26/10/2020 17:59
 (crédito: Marcos Correa/PR)
(crédito: Marcos Correa/PR)

Durante a pandemia de covid-19, o número de brasileiros desbancarizado, ou seja, que não possuem conta em bancos e fintechs, diminuiu 73% nos últimos cinco meses. Os dados são do estudo "Aceleração da inclusão financeira durante a pandemia da covid-19", realizado pela Americas Market Intelligence em parceria com a Mastercard.

Esse aumento se dá, principalmente, pela necessidade de os brasileiros utilizarem serviços on-line para realizar suas transações, por conta do distanciamento social. Enquanto em maio, menos de 5% das transações eram realizadas de forma digital e cerca de 35% das transações eram de saque; em agosto, as transações digitais realizadas pelo aplicativo atingiram a marca de 63% e os saques caíram para 15%.

Auxílio emergencial

Outro fator importante é o auxílio emergencial, que foi essencial para aumentar o acesso ao sistema bancário. A quarentena também estimulou o comércio eletrônico e o uso de novas tecnologias pelos consumidores brasileiros. Por meio de fintechs e bancos digitais, os pagamentos por aproximação e pagamentos em tempo real, passaram a fazer parte do cotidiano da população.

A pandemia mudou a relação do brasileiro com suas finanças pessoais e o planejamento de longo prazo: o foco na poupança, tradicionalmente associado à riqueza, se estendeu para famílias de baixa renda.

"Acreditamos que a inclusão financeira e digital ajuda as pessoas a prosperarem, serem mais produtivas e viverem com mais estabilidade. A chave para o crescimento da inclusão financeira — e, consequentemente a redução do uso do papel moeda — é o aumento da inclusão digital, que deve desempenhar um papel importante nos esforços de recuperação pós pandemia", afirma João Pedro Paro Neto, presidente da Mastercard Brasil e Cone Sul.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação