Imóveis

Cinco dicas para sair do aluguel e começar 2024 em um imóvel próprio

Segundo a pesquisa da Brain Inteligência Estratégica a intenção de comprar um imóvel nos próximos dois anos cresceu 39%

5 dicas para sair do aluguel e começar 2024 em um imóvel próprio 
 -  (crédito:  Shutterstock)
5 dicas para sair do aluguel e começar 2024 em um imóvel próprio - (crédito: Shutterstock)
postado em 15/02/2024 13:56

O início de um novo ano muitas vezes traz a promessa de renovação e mudanças significativas em diversas áreas da vida. Entre as resoluções mais comuns, a conquista da casa própria frequentemente figura como um objetivo ambicioso para muitos. O sonho de sair do aluguel e ter um lar para chamar de seu é uma aspiração que reflete estabilidade financeira e realização de um desejo já arraigado na cultura brasileira.

De acordo com uma pesquisa da Brain Inteligência Estratégica, que ouviu em agosto 3.243 pessoas com renda acima de R$ 2 mil, a intenção de comprar um imóvel nos próximos dois anos cresceu 39% entre essa faixa da população pelo terceiro trimestre consecutivo. O resultado ficou dois pontos percentuais acima do apurado em junho e seis pontos acima de setembro de 2022. É o maior percentual desde maio de 2021, quando a intenção atingiu 42%.

Sendo assim, Eduarda Tolentino, sócia e presidente da BRZ Empreendimentos explicou que aqueles que estão considerando dar esse passo significativo em 2024, precisam ficar atentos a alguns pontos:

Reserve 20% do valor do imóvel

Para comprar uma casa ou apartamento, é importante juntar pelo menos 20% do preço da propriedade e guardar esse dinheiro em aplicações de pouco risco. Procure opções de investimento em renda fixa e alternativas mais rentáveis que a poupança, como o Tesouro Direto, por exemplo.

Financiamento: guarde 30% da sua renda mensal

Se optou pelo financiamento, uma boa opção é reservar pelo menos 30% da sua renda mensal no momento em que decidir juntar dinheiro para a entrada do imóvel. Isso servirá para não se apertar financeiramente quando chegar a hora de pagar as parcelas. Além disso, vale ainda ter um bom relacionamento com a Caixa Econômica Federal, que é líder em contratos de financiamento do Brasil. Afinal, quanto melhor avaliado for, maiores as chances de o financiamento passar para as próximas etapas e ser aprovado.

Prepare-se para gastos adicionais

Existem despesas referentes à escritura e à documentação que muitos esquecem. Lembre-se: para a compra de um imóvel, é preciso se atentar ao pagamento dos papéis do banco, ao Imposto sobre Transmissão de Bens Imóveis (ITBI), à análise jurídica da documentação, à avaliação do imóvel, entre outras burocracias necessárias. Outro ponto importante: a rotina de uma casa ou de um apartamento também envolve gastos, como contas de água e energia; seguro; condomínio; IPTU; etc.

Conheça a região onde o imóvel está localizado

Avalie os preços dos imóveis na região onde deseja investir. O custo de vida é diferente de um lugar para outro. Veja se onde quer morar está condizente com a sua realidade financeira.

Pense bem antes de tomar a decisão

A compra de um imóvel precisa ser muito bem pensada, para que não haja nenhum tipo de arrependimento depois. Essa dica é muito importante para quem ainda está em ascensão profissional, já que muitas transformações podem acontecer em pouco tempo, como a mudança de cidade.

Tolentino ressalta que com planejamento financeiro sólido, pesquisa de mercado e escolhas de financiamento inteligentes, essa realidade se aproxima cada vez mais.

 

Gostou da matéria? Escolha como acompanhar as principais notícias do Correio:
Ícone do whatsapp
Ícone do telegram

Dê a sua opinião! O Correio tem um espaço na edição impressa para publicar a opinião dos leitores pelo e-mail sredat.df@dabr.com.br

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação