IPCA

Prévia da inflação tem alta de 0,78% em fevereiro, puxada pela educação

No ano, o índice acumula alta de 1,09% e nos últimos 12 meses, de 4,49%, acima dos 4,47% observados nos 12 meses imediatamente anteriores

No grupo Educação, a maior contribuição veio dos cursos regulares de 6,13% por conta dos reajustes habitualmente praticados no início do ano letivo -  (crédito:  Ed Alves/CB/DA.Press)
No grupo Educação, a maior contribuição veio dos cursos regulares de 6,13% por conta dos reajustes habitualmente praticados no início do ano letivo - (crédito: Ed Alves/CB/DA.Press)
postado em 27/02/2024 10:56

A prévia da inflação teve alta de 0,78% em fevereiro, maior que a de janeiro, quando variou 0,31%. O resultado foi, em grande parte, influenciado pelo grupo Educação, com alta de 5,07%, que foi puxado pelos cursos regulares. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15) foi divulgado nesta terça-feira (27/2) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

No ano, o índice acumula alta de 1,09% e nos últimos 12 meses, de 4,49%, acima dos 4,47% observados nos 12 meses imediatamente anteriores. Em fevereiro de 2023, o IPCA-15 foi de 0,76%.

Dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados, oito registraram alta em fevereiro. Destaque para o grupo Educação, que teve a maior variação (5,07%) e o maior impacto (0,30 p.p.), seguido de Alimentação e bebidas, com alta de 0,97% e impacto de 0,20 p.p., e Saúde e cuidados pessoais (0,76% e 0,10p.p.). A exceção ficou com o grupo Vestuário, que registrou queda em fevereiro, com variação de -0,39% e impacto de -0,02 p.p no índice geral.

Em Educação, a maior contribuição veio dos cursos regulares de 6,13% por conta dos reajustes habitualmente praticados no início do ano letivo. As maiores variações vieram do ensino médio (8,58%), do ensino fundamental (8,23%), da pré-escola (8,14%) e da creche (5,91%). Curso técnico (6,01%), ensino superior (3,74%) e pós-graduação (2,81%) também tiveram altas.

No grupo Alimentação e bebidas (0,97%), a alimentação no domicílio subiu 1,16% em fevereiro. Contribuíram para esse resultado as altas da cenoura (36,21%), da batata-inglesa (22,58%), do feijão-carioca (7,21%), do arroz (5,85%) e das frutas (2,24%).

Enquanto isso, a alimentação fora do domicílio (0,48%) acelerou em relação ao mês de janeiro (0,24%). Tanto a refeição (0,35%) quanto o lanche (0,79%) tiveram variações superiores às observadas no mês anterior (0,32% e 0,16%, respectivamente).

Gostou da matéria? Escolha como acompanhar as principais notícias do Correio:
Ícone do whatsapp
Ícone do telegram

Dê a sua opinião! O Correio tem um espaço na edição impressa para publicar a opinião dos leitores pelo e-mail sredat.df@dabr.com.br

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação