Eleições na UnB

Márcia Abrahão é reeleita reitora da Universidade de Brasília

As eleições começaram na terça-feira (25/8) e terminaram às 22h desta quarta-feira (26/8). Quatro chapas concorreram. Chapa 86 teve mais de 54% dos votos

Ana Paula Lisboa
Walder Galvão
Darcianne Diogo
postado em 26/08/2020 22:19 / atualizado em 26/08/2020 23:02
 (foto: Ana Rayssa/CB/D.A Press)
(foto: Ana Rayssa/CB/D.A Press)

Docentes, alunos e técnicos administrativos da Universidade de Brasília (UnB) reelegeram a atual reitora Márcia Abrahão para a instituição de ensino. Ao lado do vice, Enrique Huelva, Márcia foi escolhida para mais uma gestão, entre 2020 e 2024. No total, foram apurados 30.228 votos por sistema virtual, mas mais de 52 mil pessoas estavam habilitadas a votar.


Com 16.325 votos, a chapa 86 — Somar foi a vencedora da votação, que teve início na terça-feira e terminou nesta quarta, às 22h. Agora, a partir da consulta à comunidade, uma lista tríplice é formada pelo Conselho Universitário (Consuni/UnB) e avaliada pelo Ministério da Educação (MEC).

A nomeação fica a cargo do presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), que não é obrigador a escolher a mais votada, apesar de isso ser tradição e um modo de reconhecer a democracia e a autonomia nas universidades. Entre as chapas que concorriam ao pleito, a 81 foi a única que não negou veementemente a possibilidade de ser nomeada por Bolsonaro caso não fosse a mais votada. As outras garantiram que, caso não ganhassem na consulta, não aceitariam ser empossadas.

Márcia Abrahão comemorou a vitória na consulta à comunidade acadêmica nas redes sociais. "Agradecemos todos os votos, vindos de todos os câmpus, todos os setores da Universidade de Brasília. A chapa Somar ganhou essa adesão numa campanha linda e limpa, da qual nos orgulhamos", disse.

Além da chapa da atual reitora, estavam concorrendo a chapa 81 — Unifica UnB – Seja Plural, que é formada por Virgílio Arraes (Departamento de História e ex-presidente da ADUnb) e Suélia Fleury (Faculdade do Gama, engenharias). O próximo par de oponentes era a chapa 83 — Tempo de Florescer UnB, de Fátima Sousa (Departamento de Saúde Coletiva e ex-candidata ao GDF) e Elmira Simeão (Faculdade de Ciência da Informação). Por fim, estava a chapa 89 — UnB Pode Muito Mais, de Jaime Santana (diretor do Instituto de Ciências Biológicas) e Gilberto Lacerda (Faculdade de Educação).

Com 54,01% dos votos, a chapa 86 conquistou 16.325 votos, bem à frente da concorrência. Em segundo lugar, a chapa 89 conquistou 18,17% dos eleitores, com 5.492 votos. Em terceiro, ficou a chapa 83, com 5.013 votos, correspondente a 16,58% das escolhas. Por fim, a chapa 81 teve 3.397 votos, equivalente a 11,24% dos eleitores.

Os pesos dos votos de alunos, docentes e técnicos são diferentes. O dos estudantes é o que tem o menor valor, mas os discentes são o grupo em maior quantidade na universidade. Na transmissão da apuração dos votos, a Comissão Organizadora da Consulta (COC/UnB) explicou como é feito o cálculo. Veja o vídeo abaixo.

O dia final das eleições na UnB foi marcado por polêmicas, já que a chapa de Márcia Abrahão foi acusada de fraude por duas chapas rivais. Recurso será avaliado pela COC/UnB.

Confira o vídeo da apuração dos votos, que está sendo transmitido ao vivo:

 


Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação