VERIFICAÇÃO

Post engana ao induzir ligação entre furto em loja e fala de Flávio Dino

Delito foi noticiado em 26 de janeiro , já o discurso aconteceu em 31 de janeiro; parte da fala do ex-ministro foi omitida e descontextualizada para indicar que Dino incentiva a prática de furtos

Parte da fala do ex-ministro da Justiça foi omitida e descontextualizada para indicar que Dino incentiva a prática de furtos, como o registrado nas Americanas -  (crédito: Reprodução/Comprova)
Parte da fala do ex-ministro da Justiça foi omitida e descontextualizada para indicar que Dino incentiva a prática de furtos, como o registrado nas Americanas - (crédito: Reprodução/Comprova)
postado em 15/02/2024 18:30

Investigado por: Tribuna do Norte e Estado de Minas.

Enganoso: Post engana ao forçar uma ligação direta entre o discurso do ex-ministro de Justiça e Segurança Pública e futuro ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Flávio Dino, no dia 31 de janeiro de 2024, e um furto registrado cinco dias antes na cidade de Suzano (SP).

Conteúdo investigado: Um vídeo que circula nas redes sociais mostra o momento do furto de chocolates realizado por quatro pessoas em uma unidade das Lojas Americanas em Suzano, região metropolitana de São Paulo, sobreposto a uma reportagem da CNN que mostra o discurso de Flávio Dino defendendo que não se aplique a pena de prisão para crimes menos graves. A imagem também é acompanhada do texto “já pode roubar à vontade”.

Onde foi publicado: Instagram.

Conclusão do Comprova: É enganoso que o caso de furto de chocolates ocorrido em uma unidade das Lojas Americanas tenha ligação direta com a fala de Flávio Dino, ex-ministro da Justiça e Segurança Pública, que será ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) a partir de 22 de fevereiro. O registro do grupo cometendo o delito foi noticiado no dia 26 de janeiro de 2024 pelo telejornal Bora Brasil, da Band. De acordo com as Lojas Americanas, o crime ocorreu no município de Suzano, na região metropolitana de São Paulo, no mesmo dia da exibição da reportagem. Já o discurso de Dino foi realizado posteriormente, em 31 de janeiro de 2024.

Em sua fala, o então ministro defende que “punição não é igual a prisão”, e que crimes considerados menos graves, como furto e delito de trânsito, não levem à prisão do indivíduo, mas sim a outras formas de punição. Além disso, parte da fala do ex-ministro da Justiça foi omitida e descontextualizada para indicar que Dino incentiva a prática de furtos, como o registrado nas Americanas. “Estuprador tem que ser preso. Homicida tem que ser preso. Autor de crime hediondo tem que ser preso. Mas uma pessoa que eventualmente praticou um delito de trânsito? Um furto? Mesmo situações envolvendo crimes relativos a patrimônio, de um modo geral. Então, imagino que seja por aí”, afirmou Dino.

Em nota enviada ao Comprova, a empresa de varejo informou que registrou boletim de ocorrência no mesmo dia da ação criminosa. A Americanas S.A. acrescenta, ainda, que “a companhia vem investindo em segurança com tecnologias de monitoramento e estuda medidas adicionais de prevenção na unidade”.

Ao produzir a montagem dos dois registros sobrepostos, com as tarjas “Já pode roubar à vontade” e “Eita”, o vídeo sugere uma situação de causa e consequência entre o discurso de Flávio Dino e a ação criminosa na loja de departamentos, como se o ex-ministro estivesse “liberando”, descriminalizando ou incentivando a prática de furto.

Enganoso, para o Comprova, é o conteúdo retirado do contexto original e usado em outro de modo que seu significado sofra alterações; que usa dados imprecisos ou que induz a uma interpretação diferente da intenção de seu autor; conteúdo que confunde, com ou sem a intenção deliberada de causar dano.

Alcance da publicação: Até a manhã do dia 10 de fevereiro de 2024, a publicação no Instagram contava com 2,2 milhões de reproduções; 41,1 mil curtidas; 6,2 mil comentários; e 53,1 mil compartilhamentos.

Como verificamos: Buscamos pelos termos “chocolate americanas roubo” e encontramos o trecho do telejornal Bora Brasil publicado pela Band em sua conta no X. A reportagem mostrava o mesmo vídeo utilizado na montagem. A Americanas foi procurada e confirmou que o caso havia acontecido na cidade de Suzano, no dia 26 de janeiro de 2024, portanto cinco dias antes da fala de Flávio Dino. Também confirmamos a veiculação do discurso do senador Flávio Dino no dia 31 de janeiro, na CNN, após pesquisa no canal do YouTube da emissora.

O que diz o responsável pela publicação: O autor foi questionado sobre a publicação, mas não respondeu até o fechamento desta verificação. A publicação não foi apagada.

O que podemos aprender com esta verificação: É importante checar a data dos vídeos e em qual contexto foram publicados, como forma de afastar uma falsa relação entre os conteúdos. A ausência de marcadores temporais e tarjas de texto chamativas, sobrepostas em tom de urgência e alerta, podem ser um indicativo de que as postagens foram retiradas de seu contexto original ou manipuladas para desfavorecer alguém em posição contrária ao autor do post.

Por que investigamos: O Comprova monitora conteúdos suspeitos publicados em redes sociais e aplicativos de mensagem sobre políticas públicas e eleições no âmbito federal e abre investigações para aquelas publicações que obtiveram maior alcance e engajamento. Você também pode sugerir verificações pelo WhatsApp +55 11 97045-4984.

Outras checagens sobre o tema: Checagens recentes de UOL Confere, Estadão Verifica e AFP Checamos, iniciativas de checagem que fazem parte do Comprova, também mostraram que o ex-ministro Flávio Dino não defendeu a prática de furto no Brasil. Em outros momentos, Flávio Dino já foi alvo de desinformação, como falsas postagens nas quais teria se eximido da responsabilidade pelo combate ao armamento de traficantes no país e áudios falsos afirmando que entre os “objetivos” do governo Lula estariam “arruinar a economia”.

Gostou da matéria? Escolha como acompanhar as principais notícias do Correio:
Ícone do whatsapp
Ícone do telegram

Dê a sua opinião! O Correio tem um espaço na edição impressa para publicar a opinião dos leitores pelo e-mail sredat.df@dabr.com.br

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação