Futebol

Sete momentos geniais e polêmicos da trajetória de Maradona

O jogador argentino Diego Armando Maradona morreu nesta quarta-feira e deixa um legado incomparável no futebol

Correio Braziliense
postado em 25/11/2020 14:53 / atualizado em 25/11/2020 14:54
 (crédito: CARLO HERMANN/AFP)
(crédito: CARLO HERMANN/AFP)

Considerado por muitos o maior jogador de futebol de todos os tempos, Diego Armando Maradona, falecido nesta quarta-feira (25/11), aos 60 anos, colecionou momentos de genialidade e de controvérsia dentro e fora dos gramados. Relembre 10 passagens marcantes desse talento absoluto do futebol.

Campeão mundial

É quase unanimidade atualmente que Maradona foi o principal responsável pela conquista do bicampeonato mundial para a Argentina, que venceu a Alemanha por 3 x 2, na Copa do México, em 1986. O time dos hermanos era descrito como Maradona e mais 10 e, como para confirmar a dependência do craque, os argentinos nunca mais ergueram a taça. O gênio do futebol terminou a competição eleito ainda o melhor jogador. Não foi artilheiro, mas foi o que mais deu assistências (cinco) e obteve a impressionante marca de 53 dribles certos.

O gol La mano de Dios

Mesmo no momento auge de sua carreira, Maradona não se afastou da polêmica. No jogo contra a Inglaterra, nas quartas de finais da Copa do México, Maradona disputou a bola dentro da área com o goleiro Peter Shilton. Mesmo tendo apenas 1,65m, conseguiu "cabecear" a bola antes de o goleiro a pegar com as mãos. No replay, um gesto feito com a mão indicava um gol irregular que o juiz não percebeu. Perguntado se havia trapaceado, Maradona respondeu: Marquei (o gol) um pouco com a cabeça e um pouco com a mão de Deus". O gol virou tema até de filme.

O gol mais bonito da história?

Na mesma partida contra a Inglaterra, após fazer o gol La mano de Dios, Maradona fez aquele que para muitos é o mais bonito da história das Copas ou mesmo do futebol. Na jogada, Maradona recebeu a bola perto do meio de campo, se livros de três jogadores ingleses e ainda driblou o goleiro Shilton antes de marcar. Tudo isso em apenas 10 segundos.

Água batizada para os brasileiros

Em 1990, a Argentina eliminou o Brasil da Copa da Itália. Aos 39 minutos do primeiro tempo, a equipe médica argentina entra em campo para atender um jogador contundido e o lateral esquerdo do Brasil, Branco, pede um pouco de água. Mais tarde, Maradona disse que mandou o massagista dar água "batizada" com algum produto para reduzir o desempenho dos brasileiros. Em uma entrevista, disse: "Blanco ficou blanquito". A história acabou desmentida por Claudio Caniggia, colega de seleção de Maradona, anos depois: "Não acreditem no Maradona", disse, rindo, em 2008.

Chute (errado) em Batista

Na Copa de 1982, na Espanha, a Argentina acabou eliminada na segunda fase da competição. A última partida de Maradona foi contra o Brasil, que venceu por 3x1. Quando o placar já estava definido, o argentino deu um chute na barriga do brasileiro Batista, em uma das jogadas mais desleais da história das Copas. Anos depois, ao site da Fifa, Maradona disse que, queria chutar Falcão: "Eu falei com o Batista muitos anos depois, e também falei para o Falcão. Quando estava 3 a 1, eles começaram a tirar sarro de nós, e eu não gosto de perder. Se eu estivesse vencendo por três gols e começasse a gritar 'olé' enquanto meu time tocava a bola, você também ficaria nervoso. Se tiver um pouco de sangue na veia, vai se irritar. Mas, sim, eu chutei o jogador errado. Inacreditável".

Críticas constantes à Fifa

Maradona foi um dos maiores críticos à entidade máxima do futebol internacional, a Fifa, especialmente ao brasileiro João Havelange, que comandou a federação no auge de sua carreira. Em uma entrevista mais recente, ao jornal Marca, em 2016, resumiu sua opinião com a seguinte declaração: “Há uma máfia. Se você não paga um agente, não entra”.

Reconhecido por Pelé

A polêmica entre quem foi o melhor, Maradona e Pelé, sempre existirá. Porém, é certo que o brasileiro reconhece o talento do argentino. Em 2004, Pelé incluiu Maradona na lista Fifa 100, que reunia os 100 melhores jogadores de todos os tempos para celebrar os 100 anos da Fifa.

Uso de cocaína e álcool

Maradona, no fim da vida, lutou contra a dependência de álcool e cocaína, tendo diversos problemas de saúde e internações devido ao uso abusivo dessas substâncias. Neste mês, chegou a apresentar um quadro de abstinência, após uma cirurgia.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE