dia da mentira

Em ação duvidosa, Volkswagen "muda de nome" e gera fake internacional

Comunicado oficial mexeu com valor das ações da empresa, desagradou mídia especializada e movimentou redes sociais, mas só depois foi descrito como "brincadeira"

Correio Braziliense
postado em 01/04/2021 12:47 / atualizado em 01/04/2021 12:51
 (crédito: Volkswagen/Reprodução)
(crédito: Volkswagen/Reprodução)

A Volkswagen quis fazer uma pegadinha de 1º de abril, mas acabou indo longe demais e despertando a fúria de jornalistas e publicitários ao redor do mundo, que acusaram a VW de fortalecer a cultura das fake news. A empresa anunciou, falsamente, que mudaria o nome da marca nos Estados Unidos para Voltswagen, com a justificativa de divulgar um maior investimento nos carros elétricos que, segundo a companhia, deveriam compor até 70%¨das vendas globais da montadora até 2030.

A "brincadeira" começou na segunda-feira (29/3), três dias antes do "Dia da Mentira", quando a companhia divulgou por, alguns instantes, um anúncio incompleto de que o nome seria mudado. Na terça-feira, (30/3), o comunicado ganhou ares oficiais, quando uma nota foi publicada na área destinada à imprensa do site da Volkswagen. O texto era sério, explicava o conceito por trás da estratégia e não sinalizava que a ação se tratava de uma brincadeira.

A empresa esticou ainda mais a corda quando, ao ser questionada por veículos de imprensa, confirmou que a troca do nome era verdadeira. A novidade correu o mundo e colocava a Volkswagen na vanguarda da fabricação de carros elétricos em grande escala e animou o mercado financeiro. A cotação das ações da companhia reagiram imediatamente, subindo de 224 euros para 240 euros em apenas dois dias, o que fez o valor da VW ultrapassar os 140 milhões de euros.

Só que era mentira e, como diz o ditado, "mentira tem perna curta". O desastre da campanha de comunicação começou a ruir quando a Volkswagen alemã também foi pega de surpresa e, de maneira extraoficial, negou a mudança no nome, o que deixou a imprensa ainda mais confusa. Só depois de pressionada por jornais de todo o mundo, a montadora acabou, timidamente, assumindo que o comunicado era uma tentativa de fazer uma piada.

“O que começou como uma pegadinha de 1º de abril colocou o mundo em rebuliço. Acontece que as pessoas são tão apaixonadas pelo nosso legado quanto são por nosso futuro elétrico”, dizia a postagem no Twitter e no Instagram. Depois, à agência AFP, o assessor de comunicação da montadora Brendan Bradley também pediu desculpas. “Percebemos que o anúncio incomodou algumas pessoas e pedimos desculpas pela confusão causada”, disse o assessor na mensagem.

Segundo a companhia, a assessoria de comunicação tinha boas intenções, mas a confirmação da piada foi mal recebida pela mídia especializada nos EUA. "Querida Volkswagen. Você mentiu para mim. Você mentiu para a AP, CNBC, Reuters e várias outras publicações. Isso não é uma brincadeira. Isso é decepcionante. Caso você não tenha notado, temos um problema de desinformação nesse país. Agora você faz parte disso. Por que alguém deveria confiar em você novamente?", escreveu no Twitter Nathan Bomey, repórter do USA Today que reportou inicialmente o "furo".

E além disso, o caso ainda trouxe à tona novamente o escândalo que ficou conhecido como Dieselgate. Em 2015, quando foi revelado que 11 milhões de veículos sofreram alteração no mapeamento dos seus motores a diesel para "enganar" os testes de emissões de poluentes.

Apesar de ter se desculpado pela campanha fake, até a última atualização desta reportagem, as notas e postagens anunciando a troca do nome da companhia continuavam no ar, tanto no site da VW, quanto nas redes sociais.

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE