Vacinação no Mundo

Peru acelera vacinação de idosos após registrar 300 mortes diárias pela doença

O último número de mortes diárias por covid-19 no Peru elevou o número de mortes acumuladas para 58.604 em 13 meses de pandemia

Agência France-Presse
postado em 23/04/2021 17:19 / atualizado em 23/04/2021 17:23
 (crédito: ERNESTO BENAVIDES)
(crédito: ERNESTO BENAVIDES)

O Peru acelerou nesta sexta-feira (23/4) a imunização de idosos contra a covid-19, usando bases militares, escolas e estádios dos Jogos Pan-Americanos de 2019 como centros de vacinação, enquanto são registradas mais de 300 mortes diárias pela doença no país.

“O que estamos fazendo é começar pelos mais vulneráveis, que são os maiores de 80 anos, garantindo sua vacinação. A partir de agora até o fim do governo de transição (28 de julho) vacinaremos todos os idosos”, afirmou à imprensa o presidente interino Francisco Sagasti.

O presidente de 76 anos, que já está imunizado, lidera desde quinta-feira (22/4) a distribuição de vacinas em diferentes regiões do país andino, que enfrenta o auge da segunda onda da pandemia.

A imunização dos idosos começou em 8 de março, mas avançava lentamente devido à falta de doses e postos de vacinação. Para acelerar o processo, o governo decidiu adaptar a base militar da Força Aérea do Peru, escolas e estádios.

O país recebeu cerca de dois milhões de doses de vacinas, das quais um milhão são da Sinopharm e as outras da AstraZeneca e Pfizer.

Mais de 24 mil mortes, das 58,6 mil por coronavírus registradas no Peru desde março de 2020, correspondem a idosos, de acordo com o Ministério da Saúde.

Sagasti declarou na quinta-feira (22/4) como "bem público" a distribuição gratuita de máscaras para a população mais vulnerável.

Até 22 de abril, 559 mil pessoas haviam recebido as duas doses necessárias para a imunização, ou seja, 1,7% dos 33 milhões de habitantes do Peru, segundo o Ministério da Saúde. A meta é vacinar cerca de 25 milhões de adultos ao longo do ano.

O último número de mortes diárias por covid-19 no Peru (343) elevou o número de mortes acumuladas para 58.604 em 13 meses de pandemia, enquanto o total de casos ultrapassa 1,7 milhão.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE