ONU

Conselho de Segurança prolonga por um ano missão da ONU na Colômbia

O Conselho de Segurança da ONU aprovou por unanimidade, uma resolução para ampliar por um ano o Acordos de Paz na Colômbia

Agence France-Presse
postado em 29/10/2021 16:53
 (crédito:  Images via AFP)
(crédito: Images via AFP)

O Conselho de Segurança da ONU aprovou nesta sexta-feira (29), por unanimidade, uma resolução para ampliar por um ano o mandato de sua missão de verificação dos Acordos de Paz na Colômbia, com ênfase especial na questão étnica.


Elaborada por Reino Unido e México, a resolução deu foco especial à preocupação manifestada pelo chefe da Missão de Verificação, Carlos Ruiz Massieu, em seu último relatório sobre a deterioração da segurança, que afeta de maneira "desproporcional" os indígenas e afro-colombianos em algumas regiões do país sul-americano.


Quênia, Tunísia, Níger e São Vicente e Granadinas atuaram para que a missão incluísse "o capítulo étnico".


"Queremos um capítulo étnico. Queremos que se implemente de forma mais ambiciosa, já que as populações indígenas e afro-colombianas necessitam ser incluídas no processo", disse na quarta-feira (27) o embaixador do Quênia, Martin Kimani, atual presidente em exercício do Conselho de Segurança.


O último relatório trimestral elaborado pela Missão de Verificação na Colômbia, que foi analisado pelo Conselho de Segurança no dia 14 de outubro, alertava para o "desafio considerável" causado pela deterioração da situação de segurança no país.


Em plena reta final do governo do presidente Iván Duque, a ONU instou o Executivo e as instituições estatais a fazerem "melhor uso dos mecanismos" presentes no acordo para frear a violência que afeta essas etnias e os ex-combatentes que depuseram as armas.


Cerca de 300 ex-guerrilheiros foram assassinados por grupos ilegais e organizações criminosas, lembrou Massieu durante a análise do relatório.


Este é segundo prolongamento da missão neste ano. Em maio, o Conselho a havia ampliado por apenas seis meses, que expiram no próximo domingo (31), para evitar que o fim da missão coincidisse com as eleições presidenciais, que acontecem em maio de 2022.


Na época, o Conselho de Segurança tinha incluído o monitoramento do cumprimento das sentenças da Jurisdição Especial para a Paz (JEP), que começarão a ser emitidas no início do ano que vem.


A ONU manifestou em fevereiro sua preocupação com os ataques das forças governistas contra o tribunal especial, criado no acordo de 2016 para julgar os piores crimes cometidos em mais de seis décadas de conflito armado na Colômbia.


O trabalho da Missão da ONU na Colômbia é, em particular, verificar os aspectos do acordo relacionados com a incorporação dos guerrilheiros das Farc e do Exército do Povo, que depuseram as armas, na vida política, econômica e social, assim como garantias de segurança coletivas.

 

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE