BRASIL X PORTUGAL

Jornal português denuncia que crianças do país "só falam brasileiro"

Preocupado com o fato das crianças do país europeu estarem usando mais frequentemente palavras "brasileiras", o portal DN alerta para a influências que os jovens portugueses têm das redes sociais tupiniquins

Ronayre Nunes
postado em 11/11/2021 00:20 / atualizado em 11/11/2021 00:24
Será que existe um imperialismo da língua brasileira? -  (crédito: AFP PHOTO/ PATRICIA DE MELO MOREIRA)
Será que existe um imperialismo da língua brasileira? - (crédito: AFP PHOTO/ PATRICIA DE MELO MOREIRA)

Para quem abrir o home do portal português Diário de Notícias, nesta segunda-feira (10/11), pode duvidar de um fato aprendido desde as primeiras séries da escola: Portugal e Brasil não dividem a mesma língua? Na teoria sim, mas na prática, segundo o jornal, essa diferença parece ser bem acentuada.

Sob o título “Há crianças portuguesas que falam ‘brasileiro’”, o DN tratou de uma longa reportagem para “alertar” os pais portugueses sobre como as crianças estão adotando termos do “brasileiro”.

“Dizem grama em vez de relva, autocarro é ônibus, rebuçado é bala, riscas são listras e leite está na geladeira em vez de no frigorífico”, pontua a matéria

O DN indica como razão para o novo “fenômeno” um culpado já conhecido da mídia em geral: as redes sociais. Mais especificamente o trabalho de youtubers brasileiros que bombam com as crianças em Portugal, como Luccas Neto.

A reportagem ouve alguns pais que relatam o quanto o contato com as redes sociais andam afetando a “fala” dos filhos. "Todo o discurso dele é como se fosse brasileiro. Chegámos ao ponto de nos perguntarem se algum de nós era brasileiro, eu ou o pai", conta uma mãe.

O alarme fica mais ameno quando os especialistas em linguagem entram no texto. “Quando eu era menina havia o mesmo pânico social com os livros do tio Patinhas, que era traduzido em português do Brasil. Lembro-me bem da minha professora do primeiro ciclo ter esse pânico. A mesma coisa quando apareceram as novelas...que eram completamente massificadas. Ora, eu acho que esta discussão dos youtubers não é muito diferente", comenta Catarina Menezes, uma professora de linguística e coordenadora da licenciatura em comunicação e media.

Resposta

O medo do imperialismo linguístico do Brasil e o nacionalismo pouco discreto da reportagem do DN, logo caiu nas redes sociais tupiniquins e, como não poderia deixar de ser, virou um grande meme na mão dos internautas brasileiros.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE