75ª Assembleia Geral das Nações Unidas

Bolsonaro faz apelo mundial contra a cristofobia, em discurso na ONU

No encerramento do discurso, o presidente afirmou que o Brasil é um país cristão e conservador e tem na família sua base e desejou que "Deus abençoe a todos!"

Philipe Santos
postado em 22/09/2020 11:34 / atualizado em 22/09/2020 14:41
 (crédito: Marcos Corrêa/PR)
(crédito: Marcos Corrêa/PR)

O presidente Jair Bolsonaro afirmou que o “Brasil é um país cristão e conservador” e apelou aos líderes mundiais para lutar contra a cristofobia. A fala ocorreu no discurso de abertura da 75ª Assembleia Geral das Nações Unidas, na manhã desta terça-feira (22/9).

“Faço um apelo a toda a comunidade internacional pela liberdade religiosa e pelo combate à Cristofobia”, disse o presidente, que foi o primeiro a discursar no encontro anual internacional. A cristofobia seria perseguição moral e até física contra os cristãos.

Segundo os dados do Censo de 2010 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE), os cristão representam 86,8% da população brasileira. Mas dados da organização não governamental Portas Abertas — que apoia cristãos perseguidos em países onde não há liberdade para professar a fé em Jesus Cristo — o Brasil não está entre os 50 país onde os cristãos são mais perseguidos.

De acordo com a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, citando uma pesquisa americano Pew Research Centerm de 2017, dos cerca de 7 bilhões de pessoas no mundo, aproximadamente 2,18 bilhões de pessoas dizem professar a fé cristã.

Ranking dos 50 países onde os cristãos são mais perseguidos por causa da fé em Jesus em 2020
Ranking dos 50 países onde os cristãos são mais perseguidos por causa da fé em Jesus em 2020 (foto: Reprodução/Org Portas Abertas)

No encerramento do discurso, o presidente afirmou que o “Brasil é um país cristão e conservador e tem na família sua base e desejou que “Deus abençoe a todos!”. Em razão da pandemia da covid-19, foi a primeira vez que o encontro ocorreu por meio virtual. O discurso foi exibido em vídeo e durou cerca de 15 minutos.

Durante o discurso, Bolsonaro também afirmou que o Brasil é vítima de uma brutal campanha de desinformação sobre as queimadas ocorridas na Amazônia e no Pantanal. Ele ainda atacou as organizações não governamentais, caracterizando-as como “aproveitadoras e impatrióticas”.

Bolsonaro também afirmou que o governo segue comprometido com a conclusão dos acordos comerciais do Mercosul com a União Europeia (UE) e a Associação Europeia de Livre Comércio (EFTA). O presidente voltou a criticar a cobertura da imprensa brasileira durante a pandemia do novo coronavírus e criticou o isolamento social. No mesmo assunto, ele afirmou que o governo brasileiro pagou mil dólares de auxílio emergencial.

Ele também disse que o Brasil é vítima de campanha de desinformação sobre Amazônia. Leia o discurso na íntegra e veja o que mudou na fala dele em um ano.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação