Queimadas

Comissão convida Salles a explicar devastação no Pantanal

Com 6.796 focos de incêndio entre 1º e 27 de setembro, o bioma vive o pior mês da série histórica reunida pelo Inpe

Maria Eduarda Cardim
postado em 30/09/2020 14:15
Salles terá de explicar a razão pela qual o Pantanal sofre com quase 7 mil focos de combustão, segundo o Inpe -  (crédito: Evaristo Sá/AFP - 10/12/18
)
Salles terá de explicar a razão pela qual o Pantanal sofre com quase 7 mil focos de combustão, segundo o Inpe - (crédito: Evaristo Sá/AFP - 10/12/18 )

A comissão temporária externa que acompanha as ações de enfrentamento aos incêndios no Pantanal aprovou, nesta quarta-feira (30), convite ao ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, para que dê explicações sobre as medidas adotadas pelo governo a fim de conter e prevenir as queimadas no bioma.

Com 6.796 focos de combustão entre 1º e 27 de setembro, o Pantanal vive o pior mês da série histórica, coletada pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), que monitora as queimadas na região desde 1998. Anteriormente, o pior mês havia sido o de agosto de 2005, com 5.993 incêndios.

O requerimento, de autoria da senadora Soraya Thronicke (PSL-MS), pede também que Salles apresente subsídios sobre a adequação da atual legislação que rege as políticas de proteção da flora e da fauna na região.

"Quero agradecer a aprovação dos meus requerimentos. O ministro sempre foi muito aberto, uma pessoa muito fácil de lidar. Por isso, fiz questão de que possamos ouvi-lo o quanto antes, justamente para dirimir essas dúvidas. Eu sei que ele virá com muita facilidade", afirmou a senadora.

A comissão ainda aprovou outros seis requerimentos, sendo três de vconvites a autoridades – como o procurador-geral da República, Augusto Aras; o procurador-geral de Justiça de Mato Grosso, José Antônio Borges Pereira; e o procurador-geral de Justiça de Mato Grosso do Sul, Alexandre Magno Benites de Lacerda. A proposta de audiência com os procuradores foi do senador Wellington Fagundes (PL-MT), presidente da comissão temporária.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação