Eleições 2022

Bolsonaro e Moro empatariam no segundo turno, mostra pesquisa sem Lula

Levantamento mostra que, se eleições fossem hoje, Moro receberia 36% dos votos e o presidente, 35%, o que significa empate técnico

Correio Braziliense
postado em 15/10/2020 17:43 / atualizado em 15/10/2020 17:46
 (crédito: Wikimedia Commons)
(crédito: Wikimedia Commons)

Uma nova rodada da Pesquisa XP/Ipespe, divulgada nesta quinta-feira (15/10), mostra que, se as eleições presidenciais fossem hoje, o presidente Jair Bolsonaro deveria ir ao segundo turno e vencer quase todos os nomes incluídos no levantamento. O único capaz de tirar-lhe a reeleição seria seu ex-ministro da Justiça, Sergio Moro (DEM), agora rival. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), impedido de concorrer atualmente pela Lei da Ficha Limpa, não aparece nos cenários de pesquisa estimulada.

No primeiro turno, Bolsonaro chegaria em primeiro lugar, com 31% dos votos. Na sequência, viriam Fernando Haddad (14%), Sergio Moro (11%), Ciro Gomes (10%), Luciano Huck (5%), João Amoedo (3%), Luiz Henrique Mandetta (3%) e João Doria (3%). Como a margem de erro é de 3,2 pontos percentuais, o resultado mostra empate técnico entre Haddad, Moro e Ciro.

No segundo turno, Bolsonaro venceria tanto Haddad quanto Ciro Gomes, por 43% a 35% em ambos os casos. Já uma disputa contra Sergio Moro no segundo turno resulta em empate técnico, segundo a pesquisa. O ex-juiz teria 36% e o presidente, 35%.

Lula

Lula, que em outros levantamentos aparece com força suficiente para ameaçar a reeleição de Bolsonaro, não foi considerado nesta rodada do levantamento. O nome do ex-presidente, porém, surge na pesquisa espontânea, quando os mil entrevistados podiam dizer qualquer nome em que gostariam de votar para presidente.

Nesse caso, Bolsonaro aparece em primeiro, com 25% das citações. Lula foi lembrado por 7%; Ciro e Haddad, por 2%; e Moro, por 1%. Outros nomes citados somaram 3%, enquanto 46% disseram não saber e 13% afirmaram que votariam em branco ou anulariam o voto.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação